Aviação Easyjet reduz lucros devido ao Brexit e terrorismo

Easyjet reduz lucros devido ao Brexit e terrorismo

As oscilações cambiais tiveram um impacto de 88 milhões de libras nas contas da transportadora “low cost”. Mesmo com o cenário de Brexit, o número de passageiros continua a aumentar.
Easyjet reduz lucros devido ao Brexit e terrorismo
Bloomberg / Reuters / Getty Images
Wilson Ledo 15 de Novembro de 2016 às 10:55

A Easyjet baixou os seus lucros primeira vez em seis anos. O indicador caiu 27,9% para os 495 milhões de libras (570 milhões de euros) antes de impostos, em linha com as expectativas da companhia aérea "low cost".

Num ano em que a CEO Carolyn McCall define como recheado de "desafios significantes", os resultados da companhia acabaram por ser influenciados pelas flutuações da libra esterlina, que obrigaram a reduções nas tarifas, em resultado do Brexit – o voto do Reino Unido em abandonar a União Europeia. As influências cambiais tiveram um impacto de 88 milhões de libras (101 milhões de euros).


Também os ataques terroristas, com destaque para o ocorrido em Novembro de 2015 em Paris, e as greves dos controladores aéreos afectaram o desempenho da Easyjet. As receitas também caíram 0,4%, para os 4,67 mil milhões de libras (5,38 mil milhões de euros).


Apesar disso, o número de passageiros aumentou 6,6% para os 73 milhões no último ano fiscal, contribuindo para o que Carolyn McCall classifica como um "desempenho resiliente". A garantia é de que não existirão cortes em postos de trabalhos e que a sede da companhia se manterá em Luton, Inglaterra, mesmo como o Brexit.


O relatório de contas não detalha o impacto de Portugal no negócio da transportadora britânica. A Easyjet tem uma quota de mercado de 13% no país, com sete aviões baseados no país. No último ano, a capacidade aumentou 17% nas rotas nacionais.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub