Transportes Estado injectou 900 milhões de euros na CP nos últimos três anos

Estado injectou 900 milhões de euros na CP nos últimos três anos

A CP recebeu 12,4 milhões de euros do Estado antes de entrada em funções da nova administração, que tem como prioridades definidas pelo Governo a renovação do material circulante e a reestruturação da empresa.
Estado injectou 900 milhões de euros na CP nos últimos três anos
Diogo Cavaleiro 30 de junho de 2017 às 12:48

O Estado colocou mais 12,4 milhões de euros na CP – Comboios de Portugal, totalizando em mais de 900 milhões o valor usado para capitalizar a empresa pública que gere a rede de comboios nacional nos últimos três anos. A injecção mais recente foi concluída antes da nomeação da nova administração.

 

"O aumento de capital estatutário da CP, em 12,4 M€, destina-se a suprir necessidades de capital da empresa e foi integralmente realizado na data mencionada no Despacho", responde ao Negócios a assessoria de imprensa do Ministério das Infraestruturas.

 

Em Diário da República, foi publicado esta quinta-feira, 29 de Junho, o aumento de capital aplicado a 23 de Junho e decidido pelo secretário de Estado do Tesouro, Álvaro António da Costa Novo, e o secretário de Estado das Infraestruturas, Guilherme W.  d'Oliveira Martins.

 

Esta operação complementa outras injecções que tiveram lugar nos últimos anos. O reforço que ocorreu em 2016 foi de 212,2 milhões, ao passo que, em 2015, a injecção fora de 683,5 milhões. Ao todo, foram 908,1 milhões a entrar na CP, cronicamente deficitária. 

 

O Estado fez esta última aplicação antes da entrada em funções da nova administração, que substitui a liderada por Manuel Queiró. Carlos Nogueira, presidente, juntamente com os vogais Sérgio Abrantes Machado e Ana Maria Malhó, assumem os cargos na empresa de transporte ferroviário - que transportou 29 milhões de euros no primeiro trimestre - esta sexta-feira, um dia depois da nomeação em Conselho de Ministros.

 

Segundo diz ao Negócios o gabinete do Ministério das Infraestruturas, "o novo conselho de administração da CP terá como prioridades o desenvolvimento de uma política que contribua para a coesão territorial do país, a renovação estratégica do material circulante e a reestruturação orgânica da empresa".

 

Ainda não há relatório e contas relativo a 2016. Em 2015, a empresa, que contabilizando as suas participadas dispunha de um quadro de pessoal de 4.252 funcionários, obteve um prejuízo de 279 milhões de euros naquele ano. O capital próprio (diferença entre activo e passivo) é de 3,2 mil milhões de euros negativos, razão pela qual a Oliveira, Reis & Associados considera, na certificação de contas, que "a continuidade das operações do grupo e, consequentemente, a realização dos seus activos, nomeadamente os operacionais, depende essencialmente do suporte financeiro do Estado português e do sucesso futuro das suas operações".




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 30.06.2017

O dinheiro que se desperdiça com empresas públicas com excesso de custos salariais como a CGD e a CP, dava para ter um bom sistema de alarme e video-vigilância nos paióis e arsenais assim bem como meios aéreos de combate aos fogos e equipamento para limpar uma boa faixa de mato junto às estradas.

comentários mais recentes
Invicta 30.06.2017

"renovação do material circulante e a reestruturação da empresa", assim como, custear as greves do PCP/CGTP.

Mr.Tuga 30.06.2017

"peanurs"....

Anónimo 30.06.2017

Estado injectou 900 milhões de euros na CP nos últimos três anos

NÃOPERCEB!
O COSTA ESTÁ APENAS HÁ ANO E MEIO NO GOVERNO!

Anónimo 30.06.2017

O dinheiro que se desperdiça com empresas públicas com excesso de custos salariais como a CGD e a CP, dava para ter um bom sistema de alarme e video-vigilância nos paióis e arsenais assim bem como meios aéreos de combate aos fogos e equipamento para limpar uma boa faixa de mato junto às estradas.

ver mais comentários
pub