Tecnologias Governo reforça apoio a centros tecnológicos 

Governo reforça apoio a centros tecnológicos 

O ministro da Economia, Caldeira Cabral, está a trabalhar em instrumentos de apoio aos centros de interface tecnológico. 
Governo reforça apoio a centros tecnológicos 
Bruno Simão/Negócios
Alexandra Noronha 14 de Novembro de 2016 às 10:21

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, disse esta manhã, no Porto, que está a trabalhar em "instrumentos de apoio" aos centros de interface tecnológico, nomeadamente com recurso a um fundo e tendo em conta os montantes comunitários disponíveis. 

 
Caldeira Cabral anunciou que o fundo será apresentado no próximo mês e que o dinheiro a usar para este programa terá também como origem o Orçamento do Estado e as verbas para a eficiência energética. O objectivo é criar "instrumentos plurianuais" e não apenas transferências pontuais para as instituições, realçou o ministro, que no quis adiantar mais detalhes.  

O governante, que falou durante a conferência "Inovação de Base Tecnológica e Competitividade", do INEGI, deu conta de reuniões não só com os centros nacionais mas também internacionais para levar a cabo um programa de reforço que irá ajudar estes centros a dar um empurrão à transferência tecnológica e às start-ups que vão aparecendo em Portugal. 

 

"A ciência tem que ser uma prioridade. O Governo retomou algumas das práticas que tinham sido revertidas e retomou autonomia às universidades. Reforçou o orçamento destas instituições. Este é o único caminho de competitividade e crescimento. As estratégias de baixos custos são de curto prazo, mas nunca poderão ser de crescimento a longo prazo", salientou o ministro.

 

"Portugal só é sustentável se der oportunidades à geração mais qualificada de sempre", garantiu Caldeira Cabral. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub