Automóvel Marcelo agradece a Cavaco Silva e a Mira Amaral pela aposta na Autoeuropa há 25 anos

Marcelo agradece a Cavaco Silva e a Mira Amaral pela aposta na Autoeuropa há 25 anos

O Presidente agradeceu o esforço dos trabalhadores e dos gestores da fábrica da Volkswagen desde 1991. Prometeu voltar no próximo ano para conduzir o novo modelo e tirar uma fotografia com todos os trabalhadores.
Marcelo agradece a Cavaco Silva e a Mira Amaral pela aposta na Autoeuropa há 25 anos
Autoeuropa
André Cabrita-Mendes 09 de dezembro de 2016 às 16:34

"Hoje é um dia de alegria pelo passado, presente e futuro da Autoeuropa". Foi desta forma que o Presidente da República expressou os seus sentimentos na celebração do 25.º aniversário da fábrica da Volkswagen.

 

"Muito obrigado em nome de Portugal, muito obrigado aos trabalhadores, gestores e investidores", disse Marcelo Rebelo de Sousa esta sexta-feira, 9 de Dezembro, na fábrica em Palmela. "Portugal merece, a Autoeuropa merece, o futuro deste grande país merece".

 

Na sua intervenção, deixou também um agradecimento ao Governo da altura pelo seu esforço para trazer o investimento para Portugal.

 

"O nascimento da Autoeuropa é uma lição, capacidade de visão do Governo há 25 anos. Um agradecimento devido ao engenheiro Mira Amaral que foi um grande ministro da Indústria. E é justo agradecer a Cavaco Silva, por lançar, apoiar e ajudar um projecto pioneiro num novo cluster que hoje é fundamental para o nosso país", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

 

Nesta passagem pela Autoeuropa, ficou também prometido o regresso no próximo ano. "Em Agosto do ano que vem cá estaremos, ficou prometido que eu e o primeiro-ministro conduziremos um novo modelo para o poder testar e tiramos uma fotografia com todos os trabalhadores da empresa. Ficou prometido, temos aqui testemunhas".

 

Recordou também o tempo que viveu na Alemanha, na cidade bávara de Munique, para sublinhar a "complementaridade" entre alemães e portugueses.

 

"Aquilo que nós temos às vezes os alemães não têm, aquilo que os alemães têm, nós muitas vezes não temos. E essa complementaridade é única: a capacidade de improviso, em situações extremas do português, e a capacidade de previsão, de rigor, de programação pelo alemão. Quando juntas são um factor de sucesso", disse.




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Desaparece e vai para bolikême, provinciano Há 6 dias

Presidente Marcelo, aproveite e pergunte a esse imbecil do Cavaco, porque é que destruiu mais de metade da nossa frota de pesca costeira, a que punha diariamente, nas nossas casas, o pescado fresco da nossa costa, para, agora, vir defender que o nosso futuro é o mar.
Esse tipo é vergonhoso em tudo.

Mjm Há 6 dias

De facto, a Autoeuropa foi a ÚNICA coisa positiva que ficou do songamonga!
Tudo o resto foi miséria política, intelectual e moral.

Anónimo Há 1 semana

O roque e a amiga. Juntaram-se os dois à esquina, não tocam concertina, mas dão-nos muita música. Não temos futuro nem esperança, mas temos afectos em barda. Não queria, mas estou quase a dar razão àquele que disse que o senhor dos afectos é um catavento.

Anónimo Há 1 semana

Quando a geringonça for de vela o catavento vai fazer-lhe companhia. Afinal de contas, estão bem um para o outro.

ver mais comentários
pub