Empresas Ministério da Defesa aprova 8,7 milhões para modernizar F-16

Ministério da Defesa aprova 8,7 milhões para modernizar F-16

Os F-16 nacionais entraram ao serviço da Força Aérea Portuguesa em 1994, contando actualmente com 30 destes caças.
Ministério da Defesa aprova 8,7 milhões para modernizar F-16
Mariline Alves/Correio da Manhã
André Cabrita-Mendes 25 de setembro de 2017 às 11:48
O Ministério da Defesa vai gastar um total de 8,7 milhões de euros até 2020 para modernizar os 30 caças F-16 portugueses. O despacho assinado pelo ministro da Defesa, José Azeredo Lopes, a 28 de Agosto e foi publicado esta segunda-feira, 25 de Setembro, em Diário da República.

O ministro autorizou assim a Força Aérea Portuguesa a iniciar o processo com vista à aquisição de 30 sistemas Multifunction Information Distribution System - Joint Tactical Radio System (MIDS-JTRS).

O Governo diz que estes sistemas são "cruciais para a interoperabilidade das aeronaves em todos os teatros de operações actuais". Os MIDS-JTRS são sistemas que permitem aos F-16 comunicar com outros aviões e também com terra.

Os F-16 nacionais entraram ao serviço em 1994. Portugal comprou inicialmente 20 F-16 novos e em 1997 comprou mais 25 F-16 usados. A vida útil dos F-16 portugueses termina em 2030. Vários países europeus - Bélgica, Holanda, Noruega e Dinamarca - já decidiram avançar para a compra de caças de quinta geração.

Portugal deverá tomar uma decisão até 2020 sobre o futuro dos caças nacionais, mas num relatório de 2016 divulgado pelo Diário de Notícias em Abril o Governo ponderava avançar para a modernização dos F-16 para estender a sua vida útil em mais 10 anos até 2040.

Através da configuração Viper, o Governo teria de gastar 500 milhões de euros para modernizar os caças, um valor que contrasta com os cinco mil milhões de euros que o país teria que gastar para comprar caças de quinta geração.

Entretanto, Portugal vendeu 12 F-16 à Roménia por 160 milhões de euros. Os primeiros seis caças foram entregues à Força Aérea Romena em 2016.



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 25.09.2017

Este processo dá dinheiro e emprego a muita gente.
Portugal vendeu 12 F16 por 160 milhões de euros. A modernização foi feita em Portugal.
Investir 8 milhões é muito pouco e certamente ira permitir que se vendam mais alguns. É dinheiro garantido.

Anónimo 25.09.2017

Amigo José a sua resposta é igual a pudermos dizer para quê gastarmos dinheiro na Policia se o pudemos usar noutras coisas.

José 25.09.2017

De que serve modernizar se não ha dinheiro para os colocar no ar. Desperdício. Um pais pequeno pobre e com tao poucos recursos deveria canalizar este milhões para coisa essenciais em não em armamento ou material militar.

Mario 25.09.2017

Quantas horas de trabalho sério, de gente que se mata a bulir, estão neste dinheiro que o ministro decidiu dar aos F-16 ?! Por isso que a democracia é uma m*rda. Uns trabalham para ganhar e outros, que não fazem nada, decidem o que fazer com o dinheiro. Quem é que autoriza, num país em constante bancarrota, a um ministro gastar este dinheiro a reparar aviões intercetores? O dinheiro não é dele. É revoltante. Espero que vá dar uma voltinha de F-16 e que se esbarre com os corn...... com o nariz na carlinga.

ver mais comentários
pub