Telecomunicações Pharol diz que recurso contra homologação do plano da Oi traz "coerência à discussão"

Pharol diz que recurso contra homologação do plano da Oi traz "coerência à discussão"

A empresa portuguesa Pharol, maior accionista da operadora brasileira Oi, defendeu que o recurso apresentado pela justiça do Rio de Janeiro contra a decisão judicial que homologou o plano de recuperação do grupo "traz coerência à discussão".
Pharol diz que recurso contra homologação do plano da Oi traz "coerência à discussão"
Pedro Elias/Negócios
Lusa 01 de fevereiro de 2018 às 19:57

"Sobre o recurso apresentado pelo Ministério Público, em que recorre da decisão que homologou o Plano de Recuperação Judicial da Oi, a Pharol avalia que os pedidos formulados pelo Ministério Público trazem coerência à discussão, pois esclarecem que a condução de um processo de recuperação judicial deve observar as Lei [brasileira] das Sociedades Anónimas", sustenta em comunicado a empresa portuguesa liderada por Palha da Silva (na foto).

 

A Pharol sublinha que "toda e qualquer alteração, tanto no estatuto social quanto na composição do Conselho de Administração da companhia, deve ser debatida pelos accionistas em assembleia-geral extraordinária, como determina a Lei das Sociedades Anónimas e o regimento de governança da Comissão de Valores Mobiliários [do Brasil], e não imposta num Plano de Recuperação Judicial aprovado sem qualquer deliberação de seu conselho". A empresa nota que este entendimento já foi "manifestado judicialmente".

 

Para a próxima quarta-feira, 7 de Fevereiro, está marcada uma assembleia-geral extraordinária de credores, convocada a pedido da Pharol para discutir o estatuto social da empresa. "A realização da assembleia-geral extraordinária marcada para a próxima semana é essencial para debater sobre o futuro da companhia e os direitos, garantidos por lei, de seus accionistas", adianta no comunicado.

 

Já para 27 de Abril está agendada uma assembleia-geral ordinária.

 

Esta quarta-feira, o Ministério Público apresentou um recurso à decisão de homologação do Plano de Recuperação Judicial da Oi, documento que foi aprovado em assembleia-geral de credores no final de 2017.

 

No texto de fundamentação do pedido, a que a agência Lusa teve hoje acesso, o promotor de Justiça Gustavo Lunz apresenta argumentos como a "invalidade da cláusula 4.3.4 [referente aos termos de pagamento dos créditos não tributários detidos pela Agência Nacional de Telecomunicações - Anatel]" e o afastamento da "necessidade de convocação da assembleia-geral de credores para obter a devida formalização e concretização das decisões dos credores relativos à governança e ao aumento de capital".

 

O documento recorda que, ainda antes da votação do plano de recuperação, o Ministério Público levantou dúvidas legais, nomeadamente a necessidade de convocar uma assembleia-geral extraordinária para "adequar os estatutos das companhias a eventual decisão tomada pelos credores da assembleia-geral de credores, bem como formalizar o aumento de capital e emissão de ações ordinárias pertinentes".

 

Já após a aprovação, o Ministério Público apontou novas ilegalidades como a manutenção da cláusula sobre os créditos detidos pela Anatel e a necessidade de convocatória de assembleia-geral extraordinária para efectivação do plano de recuperação judicial, indica o recurso.

 

A Oi, na qual a portuguesa Pharol é accionista de referência com 27% das ações, esteve num processo de fusão com a Portugal Telecom, que nunca se concretizou.

 

O Plano de Recuperação Judicial em causa, que resulta de um pedido judicial feito pela operadora de telecomunicações brasileira em Junho de 2016, visa diminuir o passivo da empresa, que ronda os 65,4 mil milhões de reais (cerca de 16 mil milhões de euros), através da conversão de 75% da dívida suportada pelos credores, aos quais serão concedidos direitos sobre a companhia.




A sua opinião174
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 23.03.2018


It's really a nice and useful piece of info. I'm satisfied that you shared this useful information with us. Please stay us up to date like this. Thank you for sharing.

Anónimo 23.03.2018


Pretty nice post. I just stumbled upon your blog and wanted to say that I have really enjoyed browsing your blog posts. After all I will be subscribing to your rss feed and I hope you write again very soon!

Anónimo 20.03.2018


Hello, this weekend is good for me, for the reason that this occasion i am reading this impressive informative piece of writing here at my home.

Anónimo 20.03.2018


Hello i am kavin, its my first occasion to commenting anywhere, when i read this paragraph i thought i could also make comment due to this good paragraph.

ver mais comentários
pub