Empresas Pharol fecha semestre com lucros de 61,8 milhões

Pharol fecha semestre com lucros de 61,8 milhões

A empresa liderada por Palha da Silva beneficiou com a evolução positiva das acções da Oi, empresa brasileira onde é a maior accionista.
Pharol fecha semestre com lucros de 61,8 milhões
Miguel Baltazar
Nuno Carregueiro 28 de agosto de 2017 às 20:12

A Pharol anunciou esta segunda-feira, 28 de Agosto, que chegou a Junho com um resultado líquido de 61,8 milhões de euros, o que compara com um prejuízo de 8,3 milhões de euros no mesmo período do ano passado.

 

Trata-se dos primeiros lucros que a Pharol anuncia desde que a sua actividade se resumiu à gestão da participação na brasileira Oi e deixou de ser a PT SGPS.

 

Esta evolução positiva é explicada pela "valorização do investimento na Oi alavancado pelo incremento da capitalização bolsista". As acções da Oi subiram mais de 50% na primeira metade do ano, o que justifica a valorização da participação accionista de 22,24% que a Pharol tem na companhia brasileira.

 

Além disso, a Pharol registou um ganho de 700 mil euros com a valorização da Opção de Compra das acções da Oi, sendo que a cotada beneficiou também com a descida de 20% nos custos operacionais, que baixaram para 2,6 milhões de euros. A estimativa de recuperação dos instrumentos de dívida emitidos pela Rio Forte mantém-se em 9,56% do seu valor nominal.

 

No comunicado com a apresentação de resultados, o CEO Palha da Silva assinala que "os esforços de contenção de custos mantém-se e o progresso no primeiro semestre de 2017 foi francamente animador".

 

Quanto à recuperação judicial da Oi, Palha da Silva acredita que "poderá estar perto da sua

concretização", sendo que os "encontros entre os diversos stakeholders têm vindo a confirmar que a flexibilidade de todos é, neste momento, obrigatória".

 

A assembleia geral de credores já está marcada para 9 de Outubro, sendo este o último passo para concluir o processo de recuperação judicial, caso o plano seja aprovado pela maioria dos credores.

 

Com dívidas de 65,4 mil milhões de reais (cerca de 18 mil milhões de euros), a Oi avançou com um processo de recuperação judicial, o maior da história do Brasil, a 20 de Junho de 2016.

No primeiro semestre de 2017 a Oi registou um prejuízo de 2,5 mil milhões de reais, que "reflecte quase
integralmente o impacto do câmbio no resultado financeiro, uma vez que a Oi encerrou as suas operações de "hedge" devido à evolução do Processo de Recuperação Judicial".




A sua opinião17
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

um premio para este gestores sffv! estou a brincar, estou a brincar ....

Pharol +++++++++++ Há 3 semanas

Não obstante de tudo resto que aqui se falou e alguns diga-se, nada etendem do potencial da Pharol, apenas deixo esta nota: imaginem quando o acordo de credores da OI se der, não tenho qualquer duvidas que a cotação da Pharol dispara para cerca de 0,60€!

luis Há 3 semanas

A pharol tem activos valiosos seja da oi seja da altice seja de quem for. Não façam a figura do nacionalismo bacoco pois venderam a melhor empresa da Europa ao desbarato.

Tereza economista Há 3 semanas

Comentários tão estúpidos, não fosse o medo de guerra no Mundo a começar na Coreia a ação estaria a disparar 20 ou 30%.

ver mais comentários
pub