Empresas Randstad "dobra" projecto Altice com 12 call centers

Randstad "dobra" projecto Altice com 12 call centers

A meio do plano para três anos, a dona da PT integra já perto de 1.400 pessoas nos centros de contacto montados pela empresa de recursos humanos e espalhados sobretudo pelo Norte, que prestam assistência a clientes franceses da operadora.
Randstad "dobra" projecto Altice com 12 call centers
António Larguesa 26 de Dezembro de 2016 às 22:00

Em ano e meio, a sucursal portuguesa da Randstad montou 12 call centers para a Altice, que desenhou um plano a três anos, iniciado em Maio de 2015, que previa a criação de quatro mil postos de trabalho em Portugal. Cumprido que está metade desse prazo, estes centros para a assistência aos clientes franceses empregam cerca de 1.400 pessoas, sobretudo na região Norte.

O balanço é feito ao Negócios pelo presidente da empresa de recursos humanos a quem a operadora de telecomunicações que comprou a PT – e que já era cliente através da Cabovisão – entregou o "outsourcing" completo destes projectos. O primeiro call center abriu em Vieira do Minho; em Novembro assinou o protocolo mais recente, em Vila Real, onde as primeiras turmas de 24 pessoas estão em formação e vão iniciar a operação até ao final do ano.

"Projecto só é possível se for competitivo, no binómio qualidade-preço, em relação ao Norte de África." José Miguel Leonardo, Presidente da Randstad Portugal

No final desta primeira fase do projecto Altice, José Miguel Leonardo "não [prevê] avançar com outros centros no próximo semestre". O gestor contrapõe que "o foco é encontrar e formar mais pessoas para preencher na totalidade os postos operacionais que estão criados nessas 12 infra-estruturas, que têm ainda capacidade de expansão".

Processo em cinco etapas

Para a multinacional de origem holandesa, que entrou em Portugal em 2008 com a aquisição da Select Vedior e "emprega" diariamente cerca de 30 mil pessoas no país, estes contratos "de milhões de euros", cujo valor exacto recusa divulgar por obrigações de confidencialidade, têm "impacto, dimensão e complexidade". Os operadores para a Altice já representam 11% dos 13 mil colocados nos call centers de alguns dos dois mil clientes portugueses, como a EDP.

"Tem expressão, obviamente. Somos uma subsidiária, mas não deixamos de ser portugueses e de nos congratularmos com a capacidade que o país tem de fazer coisas que alguns menosprezam, mas que são fantásticas. (…) Tende-se a banalizar a importância dos call centers, mas um mau serviço – pode ser o tom de voz ou a incapacidade de resolver o problema – pode fazer perder um cliente", sustenta José Miguel Leonardo.

Com uma facturação a rondar os 370 milhões no total dos negócios, a Randstad Portugal entrou neste segmento "pela porta das pessoas". "Começámos por recrutar para terceiros porque essa é a nossa habilidade nata. O resto [das competências] fomos acrescentando ao longo de 15 anos", detalha, sublinhando que o mandato conferido pela Altice "requer tecnologia, investimento e capacidade de implementar".

O ponto de partida é a identificação de zonas onde há "probabilidade elevada" de encontrar mão-de-obra que domine o francês. Seguem-se contactos com o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), autarquias e outras entidades locais porque "este projecto só é possível se for competitivo, no binómio qualidade-preço, em relação a países francófonos no Norte de África e a algumas ilhas dispersas pelo mundo". Só depois do "recrutamento exaustivo" e da formação mais técnica e também no idioma, o processo fica completo com a montagem da infra-estrutura tecnológica. 

Recruta emigrantes e desempregados

Perto de 80% dos 1.400 postos nos call centers da Altice estão ocupados por pessoas que estavam em situação de desemprego, mais de metade delas de longa duração. Com idades entre 18 e 64 anos, alguns dos mais velhos recrutados pela Randstad Portugal para estas operações estavam ainda em idade activa e que queriam voltar ao mercado de trabalho; eram emigrantes que estavam "em dificuldades e sem emprego" na França, Suíça, Bélgica ou Luxemburgo; e também alguns luso-descendentes. Em comum têm o domínio nativo na língua francesa, embora as turmas seguintes já tenham incluído candidatos com nível básico do idioma. "Contámos com a ajuda do IEFP porque o francês também é de utilidade para outros sectores, como o turismo", frisa José Miguel Leonardo.





A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Pedro Pereira Há 3 semanas

Só é pena não darem condições aceitaveis, tal como instalações onde os escravos (sim, escravos que ganham uma miseria e sempre com a foice apontada a eles) por exemplo, no edificio da NOS em Campanhã, é inadmissivel o que se passa lá, consegue ser mais frio dentro das instalações, do que na rua e estamos no Inverno, no Verão é o oposto, temperaturas dentro do local de trabalho na ordem dos 35 graus e tanto a Randstad, como a propria NOS, querem lá saber, quem não estiver bem, que saia, não falta pessoal para cobrir trabalho escravo

Ze tolas Há 3 semanas

Era importante saber quanto é que pagam aos trabalhadores mensalmente e qual o valor hora.

ggov Há 3 semanas

Trabalho escravo, sem direitos e com baixos salários. Só assim conseguem competir com mão de obra do norte de África.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub