Empresas Siemens e Bombardier discutem fusão das unidades de comboios

Siemens e Bombardier discutem fusão das unidades de comboios

As negociações foram confirmadas ao Financial Times por fontes próximas das empresas, que não dão detalhes sobre o negócio entre os dois gigantes do transporte ferroviário.
Siemens e Bombardier discutem fusão das unidades de comboios
Reuters
Negócios 12 de abril de 2017 às 13:05

A alemã Siemens e a canadiana Bombardier estão em negociações sobre a fusão das suas unidades de comboios, escreve o Financial Times esta quarta-feira, 12 de Abril, citando fontes próximas das empresas.

 

A notícia foi avançada inicialmente pela Bloomberg, na terça-feira, e levou as acções do conglomerado industrial alemão a atingirem um novo máximo histórico, nos 129,80 euros, após uma subida de 1,68%. Já os títulos da Bombardier escalaram 5,99% na bolsa de Nova Iorque para 1,77 dólares.

 

As operações de comboios da Siemens constituem a maior parte da sua unidade de mobilidade que registou receitas de 7,8 mil milhões de euros no ano passado. Já as da empresa canadiana são o ‘core’ da sua unidade de transportes que facturou 7,6 mil milhões de dólares (cerca de 7,16 mil milhões de euros) em 2016.

 

As fontes que confirmaram as negociações não deram quaisquer detalhes sobre o eventual negócio, indicando apenas que estavam numa fase inicial.

 

O Financial Times destaca, porém, que a possível combinação das duas unidades seria sujeita a um forte escrutínio da concorrência. A Bombardier é a maior fornecedora mundial de comboios de passageiros no mundo industrializado, ao passo que a alemã Siemens, que se dedica aos comboios de alta velocidade, ocupa o terceiro lugar. Uma fusão entre as duas poderia conduzir a planos de despedimento na Europa, num período especialmente sensível, a nível político, antes das eleições na Alemanha.

 

As acções da Siemens estão a descer 0,16% para 127,90 euros.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub