Empresas Takeda compra Ariad Pharmaceuticals por 5,2 mil milhões de dólares

Takeda compra Ariad Pharmaceuticals por 5,2 mil milhões de dólares

A farmacêutica japonesa vai pagar 24 dólares por cada acção da Ariad Pharmaceuticals, e assumir a dívida de 522 milhões de dólares.
Takeda compra Ariad Pharmaceuticals por 5,2 mil milhões de dólares
Reuters
Rita Faria 09 de janeiro de 2017 às 14:11

A Takeda Pharmaceutical vai expandir o seu portefólio de medicamentos para o combate ao cancro e comprar a Ariad Pharmaceuticals por 5,2 mil milhões de dólares (cerca de 4,9 mil milhões de euros), avança a Bloomberg. Excluindo a dívida da empresa, de 522 milhões de dólares, o valor do negócio é de 4,66 mil milhões de dólares.

A farmacêutica japonesa vai pagar 24 dólares por cada acção da Ariad, segundo informaram as empresas num comunicado emitido esta segunda-feira, 9 de Janeiro. O valor representa um acréscimo de 75% face à cotação de fecho da sessão de sexta-feira, de 13,74 dólares.

O negócio irá acrescentar ao portefólio da Takeda um novo medicamento, o brigatinib, da Ariad, uma terapia experimental que está a ser testada no cancro do pulmão, e que a japonesa estima que poderá atingir vendas anuais de mais de mil milhões de dólares.  

A Ariad, com sede no Massachusetts, também é responsável pelo fabrico de um medicamento para um tipo raro de leucemia, o Iclusig, que tem sido alvo de controvérsia devido ao seu preço.

Em Outubro, o senador Bernie Sanders denunciou a "ganância" da empresa na fixação do preço do medicamento, de quase 200 mil dólares por ano.

"A aquisição da Ariad é uma oportunidade única que nos permitirá impactar positivamente a vida de mais pacientes em todo o mundo, promover as nossas prioridades estratégicas e gerar retornos atraentes para os nossos accionistas", afirmou Christophe Weber, CEO da Takeda, citado pelo Financial Times.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub