Telecomunicações Nelson Tanure entra na administração da Pharol

Nelson Tanure entra na administração da Pharol

Nelson Tanure, que no ano passado chegou a pedir a destituição dos administradores portugueses da Pharol na Oi, integra agora o conselho de administração da operadora liderada por Palha da Silva.
Nelson Tanure entra na administração da Pharol
Pedro Elias/Negócios
Negócios 30 de junho de 2017 às 18:57

O conselho de administração da Pharol deliberou nomear, por cooptação, na sua reunião desta sexta-feira, 30 de Junho, como administradores para completar o mandato em curso (triénio 2015-2017), Jorge Santiago Neves, Nelson Sequeiros Rodriguez Tanure e Thomas Cornelius Azevedo Reichenheim.

 

Estas cooptações serão submetidas a ratificação na próxima assembleia geral de accionistas da Pharol, anunciou em comunicado à CMVM a empresa liderada por Palha da Silva (na foto).

Tanure tem andado, nos últimos meses, a reforçar a sua participação na Pharol, tendo, inclusive, sido noticiado que terá sido o comprador da posição do BCP (6,17%) na sucessora da antiga Portugal Telecom, o que nunca foi oficialmente confirmado.
 

Fonte oficial ligada ao empresário garantiu ao Negócios, a 29 de Maio passado, que "Nelson Tanure não aumentou nem tem intenção de aumentar sua participação na Pharol, em torno de 2%", posição essa detida através do Discovery Capital Management, LLC.

 

Recorde-se que o empresário brasileiro Nelson Tanure, responsável pela criação da Société Mondiale Fundo de Investimento em Acções – accionista da Oi, representada pela gestora Bridge Administradora de Recursos – requereu a 7 de Julho do ano passado a convocação de uma assembleia-geral extraordinária da operadora brasileira para a destituição dos administradores ligados a Portugal, exigindo também uma compensação judicial por danos na fusão com a Oi. 

 

Rafael Mora, Nuno Vasconcellos, Palha da Silva, Pedro Morais Leitão, João Vicente Ribeiro, João Castro, Pedro Guterres, Maria do Rosário Pinto Correia e André Navarro, uns titulares e outros suplentes da administração da Oi, foram os nomes contestados pela Société Mondiale.

 

A contestação foi seguida pela proposta de substituição por outros nomes, para que houvesse um "conselho com pessoas capacitadas, todos conselheiros independentes".

 

Posteriormente, Tanure chegou a um acordo para pôr fim ao diferendo legal com a Pharol, num entendimento que lhe permitiu assentos na administração da operadora brasileira. A contrapartida foi deixar de exigir a saída dos administradores da Pharol - embora parte deles tivesse de sair para encaixar os membros da Société Mondiale - e a compensação judicial. 

Agora entra também na administração da Pharol, que esta sexta-feira encerrou a sessão a valorizar 0,99% para 0,305 euros.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
fjal Há 2 semanas

para mim o que interessa eh que segunda feira a pharol vai disparar já aconteceu ontem ao final 40.000 a 29.70 e isto sempre não eh nosso há muitos anos eh dos investidores não so em Portugal montepio também vai disparar la estarei atento on line b f semana

Anónimo Há 2 semanas

Palha da Silva entregou o pouco que sobrava a este tipo. Deixou que se vendesse a PT à Altice e o dinheiro nem pagou as obrigações de retalho. Onde para a CMVM? Ninguem investiga este concluio?

Juca Há 2 semanas

Tuguinha é bom de bola. Mas fraco de tola. O Nelson, que acho ser Nature (e não Tanure), vai dar golpe no Pharol. Já só falta Lula dar o golpe na Galp, e aí sim meu irmão, você continuará a ser emigrante pois demos cabo de tudo de forma democrática.

pub
pub
pub
pub