Imobiliário Tranquilidade vende 86 imóveis a consórcio luso-americano

Tranquilidade vende 86 imóveis a consórcio luso-americano

A parceria entre a Anchorage e a Norfin é a melhor posicionada para a compra do portefólio imobiliário da seguradora Tranquilidade, que inclui a sede. Março é apontado como o limite para o fecho do negócio.
Tranquilidade vende 86 imóveis a consórcio luso-americano
Wilson Ledo 05 de Janeiro de 2017 às 13:20

A seguradora Tranquilidade está prestes a fechar a venda de 86 imóveis ao consórcio formado pela Anchorage Capital Group e Norfin, apurou o Negócios.

A operação deverá ser fechada até ao final de Março, estando em causa um pacote de activos avaliados em 140 milhões de euros. A Apollo, dona da Tranquilidade, colocou os mesmos no mercado em Março de 2016.


Em Julho eram três as candidatas mais fortes. A Orion Capital Managers e a Aerium foram ultrapassadas pelo consórcio luso-americano entre a Anchorage Capital Group, casa de investimento sediada em Nova Iorque, e a gestora imobiliária portuguesa Norfin.


Segundo informações do seu site oficial, a Norfin gere aproximadamente 1.200 milhões de euros de activos imobiliários. A título de exemplo, conta-se no seu portefólio a gestão do Campus de Justiça de Lisboa, activo que acabou por ser alienado o ano passado pela Caixa Geral de Depósitos por mais de 200 milhões de euros.


Francisco Horta e Costa, presidente da consultora imobiliária CBRE, que está a assessorar este negócio, confirmou que a alienação do portefólio da Tranquilidade se encontra no conjunto de operações avaliadas em 450 milhões que a sua empresa pretende concluir até ao final do primeiro trimestre.


O que vende a Tranquilidade?

Dos 86 imóveis, cerca de 80% encontram-se localizados em Lisboa e no Porto. No lote inclui-se a sede da seguradora na Avenida da Liberdade, local onde se encontra instalada desde 1986.


A sede e as agências incluídas no portefólio verão os seus escritórios absorvidos neste negócio, passando a inquilinos através da assinatura de um contrato de arrendamento.


No lote contam-se também 17 edifícios para reabilitação, que terão como destino mais provável a conversão em habitação de luxo, segmento que tem vindo a registar um desempenho atractivo para os investidores em Portugal.


A Tranquilidade fazia parte do Grupo Espírito Santo. Com o colapso do mesmo no Verão de 2014, e após a resolução do Banco de Portugal, a seguradora acabaria por ser integrada no Novo Banco a título de penhor.


Foi precisamente o Novo Banco, à altura liderado por Eduardo Stock da Cunha, quem vendeu a seguradora ao fundo americano Apollo por 40 milhões de euros. A este valor acrescem 150 milhões para a sua capitalização.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

A Tranquilidade foi vendida por 200 milhões e em menos de 3 anos vendem o seu património por 450 milhões. Daqui a 2 anos vendem a seguradora por outros 500 milhões. Na volta ainda têm isenções fiscais e possibilidade de transferir receitas para off-shores!
Mais outra bela venda do Estado.

pub
pub
pub
pub