Empresas Vieira da Silva: "O tempo corre" contra o futuro da Autoeuropa

Vieira da Silva: "O tempo corre" contra o futuro da Autoeuropa

Vieira da Silva mostra-se preocupado com o "impasse" na Autoeuropa e garante que o Governo vai acompanhar o processo de perto.
A carregar o vídeo ...
Lusa 30 de novembro de 2017 às 14:55
O ministro do Trabalho advertiu esta quinta-feira que a actual situação de impasse na Autoeuropa constitui um sério risco e apelou a uma rápida convergência entre administração e trabalhadores, porque "o tempo corre contra" o futuro da empresa.

Estas palavras foram proferidas por Vieira da Silva no final do Conselho de Ministros, em que caraterizou como "preocupante" a actual situação de desacordo laboral na Autoeuropa, cuja administração já lamentou a rejeição do pré-acordo sobre os novos horários de trabalho na fábrica de automóveis da Volkswagen em Palmela.

"Estamos numa situação preocupante, já que duas comissões de trabalhadores assinaram nos últimos meses, em momentos diferentes, mas próximos, dois pré-acordos com a administração da empresa que viabilizam o crescimento da produção necessária para assegurar que a Autoeuropa, por si só, dá resposta às necessidades do novo modelo que ali nasceu (o T-Roc]", declarou o ministro do Trabalho, da Segurança Social e da Solidariedade.

Em relação a este último acordo subscrito por uma comissão de trabalhadores recentemente eleita e que não foi viabilizado em referendo pelos trabalhadores da empresa, Vieira da Silva considerou que se criou "uma situação de impasse".

"As situações de impasse, em empresas com pressão externa como a que tem a Autoeuropa, são situações de risco. O Governo terá uma proximidade muito grande em relação à situação, mas tem a expectativa que a administração e os trabalhadores terão a capacidade de resolver rapidamente, encontrando pontos de convergência. Porque o tempo está a correr muito depressa e quando há um impasse a situação não corre a nosso favor,", vincou o membro do Governo.

De acordo com a perspetiva de Vieira da Silva, foi de soluções de convergência entre administrações e trabalhadores que se alicerçou "o sucesso da Autoeuropa" e que, de resto, explica a razão pela qual está a produzir um modelo que regista já uma rápida penetração no mercado.

Ora, essa evolução, segundo o titular da pasta do Trabalho, "aponta para a continuação do crescimento da empresa e da medida relativa à contratação de trabalhadores prevista no plano de desenvolvimento da empresa".

"A História da Autoeuropa em Portugal é de sucesso e estamos certos que continuará a ser, porque tem tido como um dos pilares fundamentais da sua projeção externa uma intensa regulação através do diálogo social. A empresa e os trabalhadores têm tido capacidade de negociar, por vezes em condições difíceis, acordos que têm permitido o reforço da empresa. E, neste momento, projeta-se para o futuro o maior crescimento da importância económica, laboral e social da Autoeuropa no nosso país, na sua região, para os trabalhadores e suas famílias", insistiu Vieira da Silva.

A administração da Autoeuropa lamentou esta quinta-feira a rejeição do pré-acordo sobre os novos horários de trabalho na fábrica de automóveis da Volkswagen em Palmela e remeteu para mais tarde uma tomada de posição.

"Lamentamos a rejeição do pré-acordo, estamos a analisar o impacto desta situação e oportunamente tomaremos posição", disse à agência Lusa fonte oficial da empresa.

Após o referendo realizado na quarta-feira, em que mais de 63% dos trabalhadores rejeitaram o pré-acordo, a Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa anunciou a intenção de retomar o diálogo com a administração da fábrica de Palmela.



A sua opinião17
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Pontodevista... Há 1 semana

Meu caro anónimo, veja o que se escreveu neste mesmo jornal em junho do ano passado, sobre o encerramento da OPEL no seguinte Link:
http://www.jornaldenegocios.pt/empresas/automovel/detalhe/fecho_da_opel_despediu_1100_e_transformou_a_vida_na_azambuja

Claro que os sindicatos tudo negaram, porque tal como eu referi eles nunca são culpados de nada...

comentários mais recentes
fa Há 4 dias

Os alemães já sabem por experiencia onde devem montar as empresas ( Continental, Bosch etc.).
Na próxima vez não vão no engodo de ter de dar trabalho a mouros

Anónimo Há 1 semana

Se a Auto Europa fosse no Norte do País nada disto aconteceria!

Anónimo Há 1 semana

Para o anónimo das 9 horas.Quem tem ADSE, desconta 3.5 %no salário para isso.Não venham dizer que os privados descontam 11% para a SS. Isso não tem nada a ver com o SNS, este é universal, tenha emprego ou não.Ninguém desconta par o SNS, a sua sustentação são os impostos.

Admissão de mais pessoal na AutoEuropa Há 1 semana

«Dá Deus nozes a quem não tem dentes»
Se há quem não queira trabalhar mais, estão no seu pleno direito, mas assim também dão pleno direito à Auto Europa de admitir mais pessoal.
Que o façam e o mais rapidamente possível.
Há dezenas de milhares de desempregados em Portugal, com formação superior, ansiosos por irem trabalhar para a Auto Europa.
Seguramente estarão dispostos a trabalharem ao Sábado, como eu ainda hoje faço e como ainda estará na memória dos Portugueses até não há muito (anos 50 ) acontecia neste País.

ver mais comentários
pub