Aviação Como funciona a requisição civil?

Como funciona a requisição civil?

Está prevista na legislação portuguesa desde 1974. Em 1977, o precedente foi inaugurado por Mário Soares, o primeiro a avançar com uma requisição civil para impedir uma greve de pilotos na TAP. Em 1997, António Guterres fez o mesmo. O Natal de 2014 será a terceira ocasião em que este instrumento extremo será activado na transportadora, mas como o pré-aviso era de greve geral, visa agora 70% dos funcionários.
Como funciona a requisição civil?
Eva Gaspar 18 de dezembro de 2014 às 13:50

A requisição civil está prevista na legislação portuguesa desde 1974. Esta figura só pode ser usada para fazer face a situações de emergência ou quando está em causa o cumprimento de serviços de interesse público essenciais. Para que a requisição entre em vigor é necessário uma resolução do Conselho de Ministros e uma portaria a ordenar a mesma, requisitando o número mínimo de trabalhadores considerado essencial para o cumprimento dos serviços em causa.

 

Se a requisição civil não for acatada, a lei prevê consequências para os trabalhadores que não compareçam ou que se recusem a desempenhar as funções atribuídas que podem ir desde processos disciplinares à própria possibilidade de crime por abandono de funções, segundo advertia em 2005 o então ministro da Justiça Alberto Costa.

 

O decreto-lei 637/74 publicado em 20 de Novembro de 1974 e aprovado pelo governo de Vasco Gonçalves, que integrava como ministros António de Almeida Santos ou Rui Vilar, enquadra a requisição civil, clarificando que esta se destina a "assegurar o regular funcionamento de certas actividades fundamentais, cuja paralisação momentânea ou contínua acarretaria perturbações graves da vida social, económica e até política em parte do território num sector da vida nacional ou numa fracção da população".

 

Só deve ser desencadeada em "casos excepcionalmente graves" podendo ter por objecto a "prestação de serviços, individual ou colectiva, a cedência de bens móveis ou semoventes, a utilização temporária de quaisquer bens, os serviços públicos e as empresas públicas de economia mista ou privadas".

 

É vasta a lista de serviços públicos ou empresas que podem ser objecto de requisição civil, entre os quais está a "exploração do serviço de transportes terrestres, marítimos, fluviais ou aéreos" assim como a "exploração e serviço dos portos, aeroportos e estações de caminhos de ferro ou de camionagem, especialmente no que respeita à carga e descarga de mercadorias".


A requisição civil efectiva-se por portaria dos Ministros interessados que deverá precisar o seu objecto e a sua duração, bem como o regime de prestação de trabalho dos requisitados.

 

O decreto-lei esclarece que "a requisição civil das pessoas não concede direito a outra indemnização que não seja o vencimento ou salário decorrente do respectivo contrato de trabalho ou categoria profissional, beneficiando, contudo, dos direitos e regalias correspondentes ao exercício do seu cargo e que não sejam incompatíveis com a situação de requisitados".  O Governo pode determinar a "substituição de pessoal de nacionalidade estrangeira em serviço nas empresas requisitadas por indivíduos de nacionalidade portuguesa enquanto a situação de requisição se mantiver", refere ainda o decreto-lei.

 

Há dois precedentes de requisição civil na TAP. Em 1977, com Mário Soares, o Governo inaugurou a activação deste expediente para impedir uma greve de pilotos na TAP. Vinte anos depois, em 1997, o Governo do também socialista António Guterres decidiu igualmente avançar com esta medida extrema para impedir uma nova greve dos pilotos marcada para o Verão desse ano. A decisão foi então contestada pelo sindicato dos pilotos da aviação civil, mas o Supremo Tribunal Administrativo negou provimento ao recurso. Em 2005, era Alberto Costa ministro da Justiça, o governo decretou a requisição civil dos funcionários judiciais, alegando falta de cumprimento dos serviços mínimos durante a greve. "Se a requisição civil não for acatada, a lei prevê consequências, que podem ir desde processos disciplinares à própria de enquadramento do crime de abandono de funções", avisava o então ministro.

 

O Natal de 2014 será, assim, a terceira ocasião em que o instrumento extremo da requisição civil será activado na transportadora aérea para garantir o funcionamento de serviços essenciais. Abrangerá 70% dos funcionários da companhia, os considerados necessários pela tutela para assegurar os 1141 voos previstos para os quatro dias de pré-aviso de greve (27, 28, 29 e 30 de Dezembro).

 

(Corrige e actualiza às 16h20: Há dois, e não apenas um, precedentes de utilização da requisição civil da TAP. Actualiza com acórdão do STA)




A sua opinião21
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado anónimo 18.12.2014

devia ser utilizada nas greves do metro também!

comentários mais recentes
Anonimo 20.12.2014

Sem querer entrar em discussòes sobre se a TAP deva ou não ser privatizada, no caso dos pilotos, se todos forem para companhias estrangeiras de um dia para o outro, e podem muito bem fazê-lo, adianta de muito ao governo andar com requisições civis... Os outros coitados dos trabalhadores da TAP é que sofrem, porque não têm essa facilidade.

Como sempre o governo só consegue massacrar os pobres, porque os ricos enfiam o manche do A340 pelo @@ do Coelho acima... Quando quiserem, e como quiserem...

Anónimo 19.12.2014

Acho muito bem, a TAP é uma vergonha, parece que vivem num país diferente do deles...

Anónimo 19.12.2014

O problema deste país e não se ter derramado sangue (a sério) no 25 de Abril! Talvez dessa forma se desse valor aos "simbolos de Portugal", como a TAP, que esses badamecos dos sindicatos tanto fazem questão de mencionar. Auto promoção e compadrio é para o que servem os sindicatos actualmente. Como se justifica o numero de sindicatos afetos à atividade da TAP? 12, foram os que subscreveram esta greve! 12, não contando com os que não subscreveram! Quantos são? Quantos poleiros representam? Vão é trabalhar em vez de andarem a incomodar as pessoas, a dizer que já está na hora da saída!
Requisição civil sempre!! Privatizações para estas empresas de chupista e com regalias fora do normal, sempre!! Metro, Carris, TAP, CP... privatizar para acabar com empregados de 1ª! Subsidios porque trabalham debaixo da terra, entre outros, parte de uma lista infindavel de menções ridiculas??
Parafraseando Chico Buarque, "Vai trabalhar vagabundo... Deus permite a todo o mundo uma loucura..."...

Kaesar 19.12.2014

Sendo assim, acabem com a lei da greve, e, instalem uma ditadura (acho que já não falta muito), porque não conheço nenhuma greve que não afete terceiros! Vejam só: Se for uma greve nos Cacilheiros, o Estado está-se borrifando para fazer uma Requisição Civil porque só afeta o trabalhador mais pobre, e, além disso já tem o passe pago por inteiro até ao fim do mês! Como é uma Greve da TAP, já chia mais fino, porque além de não afetar o trabalhador mais rude, afeta e de que maneira, quem queira passear e gozar férias, apesar de também afetar um pouco trabalhadores nas suas férias (sobretudo emigrantes) mas, são trabalhadores já com um certo nível económico, e que nesta altura do ano querem aproveitar para tirar férias com a família, mas que não estão sujeitos a perderem os seus empregos (bastem que cancelem este período de férias), ao contrário daquilo a que estão sujeitos aqueles trabalhadores que quando á greve de cacilheiros, não conseguem arranjar transportes alternativos para se deslocarem para irem trabalhar no dia a dia, e o patrão aponta-lhe a porta da rua.
Por isso vão fazer uma requisição civil, não a pensar no mais pobre, mas sim a pensar, nas pessoas que têm mais posses! Esta é que é a pura das verdades!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub