Aviação Ogma atinge lucros de 10,1 milhões de euros

Ogma atinge lucros de 10,1 milhões de euros

A empresa elegeu novos órgãos sociais, com a designação de Marco Tulio Pellegrini como novo presidente da sociedade.
Ogma atinge lucros de 10,1 milhões de euros
Embraer
Negócios 03 de abril de 2017 às 12:25

A Ogma registou, em 2016, lucros de mais de 10 milhões de euros, segundo adiantou a empresa em comunicado esta segunda-feira, 3 de Abril. "A empresa atingiu um volume de vendas de 195,4 milhões de euros, e um lucro de 10,1 milhões de euros, tendo sido aprovado, também, a distribuição de lucros pelos colaboradores no total de 1,47 milhões de euros, que serão distribuídos conforme critérios de elegibilidade e cumprimento de metas", referiu a sociedade em comunicado.

Já este fim-de-semana, o ex-presidente da Ogma, Rodrigo Rosa, disse, em entrevista à rádio TSF que a empresa pretende distribuir parte dos lucros obtidos em 2016, ou seja, cerca de 1,5 milhões de euros, pelos seus funcionários.


A empresa elegeu ainda novos órgãos sociais para o triénio 2017-2019, tendo designado Marco Tulio Pellegrini (na foto) como novo presidente do conselho de administração, sucedendo a Rodrigo Rosa, "que agora assume funções como CFO da Embraer para a região da Europa, África e Médio Oriente", adiantou o mesmo comunicado. Continuará com assento no conselho de administração da Ogma como administrador não-executivo.


"Foram também aprovados os nomes de Jackson Schneider e Luís Carlos Affonso como representantes da Airholding (100% detida pela Embraer) e Júlio Castro Caldas e o General Luís Esteves de Araújo em representação da Empordef (100% detida pelo Estado Português)", segundo o mesmo comunicado.


A Ogma é detida em 65% pela Airholding SGPS (100% Embraer) e em 35% pela Empordef (100% Estado Português) desde a sua privatização em 2005. A empresa conta com mais de 1700 trabalhadores.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub