Mercados num minuto Abertura dos mercados: May sem maioria não abala bolsas mas afunda a libra

Abertura dos mercados: May sem maioria não abala bolsas mas afunda a libra

As bolsas europeias estão a reagir de forma positiva à vitória, sem maioria absoluta, de Theresa May nas eleições. Os juros estão em queda ligeira enquanto a libra já atingiu mínimos desde a eleição de Trump.
Abertura dos mercados: May sem maioria não abala bolsas mas afunda a libra
Reuters
Rita Faria 09 de junho de 2017 às 09:15

Os mercados em números

PSI-20 sobe 0,37% para 5.259,59 pontos

Stoxx 600 ganha 0,22% para 390,02 pontos

Nikkei valorizou 0,52% para 20.013,26 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos descem 0,5 pontos base para 3,018%

Euro recua 0,18% para 1,1194 dólares

Petróleo em Londres cai 0,33% para 47,70 dólares o barril

 

Bolsas europeias em alta após vitória de May

As bolsas europeias estão a negociar em alta esta sexta-feira, 9 de Junho, aparentemente indiferentes ao resultado das eleições no Reino Unido, que deram vitória, sem maioria absoluta, aos conservadores liderados pela primeira-ministra Theresa May.

 

Em Londres, o Footsie avança 1,08% para 7.530,26 pontos, animado pela descida da libra, que favorece as empresas exportadoras. Já o índice de referência para a Europa, o Stoxx600, ganha 0,22% para 390,02 pontos, impulsionado sobretudo pelas empresas do sector automóvel e construção.

 

Na bolsa nacional, o PSI-20 sobe 0,37% para 5.259,59 pontos, depois de ter recuado quase 1% na sessão de ontem. Os ganhos estão a ser impulsionados principalmente pelo BCP, que valoriza 2,27% para 22,96 cêntimos, depois do Deutsche Bank ter recomendado a compra das acções do banco.

 

Juros descem na Europa

Os juros da dívida da generalidade dos países europeus estão em queda, depois de o BCE ter mantido os estímulos e os juros inalterados, e se ter mostrado mais confiante na sustentabilidade da recuperação económica, retirando do seu comunicado a referência à possibilidade de voltar a descer a taxa directora.

 

Em Portugal, os juros associados à dívida a dez anos descem 0,5 pontos base para 3,018%, enquanto em Espanha a descida é de 4,3 pontos para 1,433%. O alívio é mais acentuado em Itália, numa altura em que o cenário de eleições antecipadas é visto como menos provável. A ‘yield’ associada às obrigações italianas a dez anos recua 5,7 pontos para 2,121%.

 

Na Alemanha, pelo contrário, os juros sobem 0,2 pontos para 0,258%, diminuindo para 271,3 pontos o risco da dívida portuguesa.

 

Parlamento "pendurado" põe libra em queda

A moeda britânica está a desvalorizar face às principais congéneres mundiais, reflectindo a perda de maioria absoluta dos conservadores liderados por Theresa May. A libra cai 1,94% para 1,2705 dólares. Face à moeda única europeia, a libra cai 1,75% para 1,1349 euros, depois de ter chegado a afundar 2,29% para 1,1287 euros, o valor mais baixo desde 9 de Novembro.

 

O Partido Conservador não alcançou os 326 assentos necessários, dos 650 existentes, para ter maioria absoluta e, por isso, o resultado destas eleições traduz-se no chamado ‘parlamento pendurado’ (hung parliament), com nenhum partido a atingir a maioria.

 

Petróleo a caminho da terceira semana de perdas

O petróleo está a negociar em queda nos mercados internacionais, preparando-se para completar, esta sexta-feira, a terceira semana de perdas.

 

O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, cai 0,33% para 45,49 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, cede 0,33% para 47,70 dólares, regressando ao patamar de preços anterior à extensão dos cortes na produção pela OPEP.

 

A matéria-prima tem vindo a ser penalizada pelos receios de que o aumento da produção norte-americana acabe por anular o efeito positivo decorrente da diminuição da produção do cartel que, concordou, em Maio, prolongar os cortes até ao final do primeiro trimestre de 2018.

 

Ouro desce quase 0,5%

O ouro está a descer quase 0,5%, sinalizando que não houve uma corrida dos investidores aos activos considerados de refúgio, no rescaldo das eleições no Reino Unido.

 

"Algo que pressentimos como uma catástrofe… afinal ninguém parece importar-se com isso, a não ser o Reino Unido", refere Joshua Mahony, do departamento de negociação da IG, citado pela jornalista Jill Treanor do The Guardian.

 

O ouro está a perder 0,4% para 1.272,83 dólares, enquanto a prata desvaloriza 0,64% para 17,3285 dólares. 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
BCP 0.33 PRICE TARGET DETUSH BANK 09.06.2017

POIS MAS AQUI O SR TOLIÇES PEREIRA E A SUA EQUIPA DO NEGOCIOS NÃO DERAM ESSA NOTICIA PORQUE SERÁ PORQUE SERÁ QUE SÓ FALAM DE OUTRAS AÇÕES E O MILENUM BCP É SÓ PARA DEITAR ABAIXO QUEM ESTARÁ POR TRÁS DE VÓS ... eu sei ... mas .....

FOSUN vai lançar OPA ao BCP 09.06.2017

A FOSUN MUITO BREVEMENTE VAI LANÇAR UMA OFERTA PÚBLICA DE AQUISIÇÃO AO MILENIUM BCP AOS RESTANTES 70 % QUE LHE FALTAM A 0.50 POR AÇÃO

FELIZES SÃO AQUELES QUE ACREDITAM 09.06.2017

FELIZES AQUELES QUE ONTEM COMPRARAM MILENIUM BCP A 0.21 EU SÓ COMPREI 3 MILHÕES porque não TINHA $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ PARA MAIS

GLINTT 09.06.2017

A nossa tecnológica GLINTT vai ser a próxima a duplicar, as campeãs de prejuízos já subiram 100% e a GLINTT que dá lucro e já foi alvo de OPA subiu 40%. Pode ser alvo de outra OPA da Farminveste para a tirar da Bolsa. Mas deviam agora pagar 1€ cada acção. Já valeu 5€ em 2004.

pub
pub
pub
pub