Bolsa BCP: três décadas de altos e baixos na bolsa
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

BCP: três décadas de altos e baixos na bolsa

O BCP comemora esta segunda-feira 30 anos no mercado accionista português. Três décadas de brilho, mas também de escuridão, com os últimos anos a serem marcados por uma enorme destruição de valor num dos títulos mais populares da bolsa de Lisboa.
BCP: três décadas de altos e baixos na bolsa
Bruno Simão/Negócios
Patrícia Abreu 04 de setembro de 2017 às 07:00

"O BCP apareceu como uma coisa muito boa. Tinha empregados muito asseadinhos, de blazer e gravata, muito competentes. Foi muito, muito impactante". É assim que Maria Cândida Rocha e Silva, presidente do Banco Carregosa, recorda a chegada

)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião20
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 04.09.2017

Por exemplo, os 2200 excedentários que não têm as competências dos 100 que entrarão na CGD por ano até ao fim desta década, podiam oferecer o seu trabalho a outros empregadores e ir apanhar fruta. Os que entrarem na CGD terão competências nas áreas emergentes e necessárias que vão da ciência de dados e análise de dados à programação informática, tecnologia blockchain e cibersegurança. Os excedentários protegidos pela lei laboral anacrónica e máfias sindicais têm competências inúteis ou desnecessárias para o empregador CGD nas áreas da contabilidade, jurisprudência, secretariado, relações públicas e operação de caixa. Chama-se a isto gestão de recursos humanos e é prática corrente nas economias mais desenvolvidas desde há pelo menos 20 anos. Em Portugal é preciso deixar as organizações falir, mendigar subsídios e resgates estatais, pilhar e extorquir o concidadão e depois ser obrigado pela União Europeia a cair na realidade e tomar medidas sob pressão externa. É o país dos drs./engs.

comentários mais recentes
JCG 07.09.2017

O BCP pode ter altos e baixos, mas o gangue de abutres que lá abancou com o Amado à cabeça, na linha dos seus antecessores, continua a engordar as suas contas bancárias.

BCPatos continuam a levar nas NALGAS! Arre! 05.09.2017

Os BCPatos continuam a levar nas nalgas! Anda por aqui um BCPato q ainda tem ilusões! Acompanho esta miserável acção desde 1998 do tempo do Jardim Gatuno Gonçalves quando chegou a valer mais de 5 €! Hoje vale a módica quantia de 0,21€! Palavras para quê? Pendurai os gestores num poste público!

Anónimo 04.09.2017

Paulo Teixeira Pinto, Antonio Mexia, Rafael Mora, Carlos Silva, Miguel Relvas, Nuno Amado formam um grupo que destruiu o grande banco que outrora foi o BCP. Alguém que faça a conta para ver quanto destruiram. Só feridas para lamber.

JJGonçalves ia ao médico de avião! 175 mil € refor 04.09.2017

Os BCPatos andam todos contentes com as subidas recentes! Se fizerem bem as contas e se entraram no BCP há uns anos estão a perder fortemente. Sei do q falo, já tive estas acções infelizmente e vendi-as em 2006 a 2.32 € acompanho esta miserável acção desde 1998 do tempo do Jardim Gatuno Gonçalves!

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub