Mercados Comissão Europeia aprova proposta para a criação de PPR europeu

Comissão Europeia aprova proposta para a criação de PPR europeu

A proposta para a criação de um novo produto de poupança para a reforma terá agora que ser discutida no Conselho e no Parlamento Europeu.
Comissão Europeia aprova proposta para a criação de PPR europeu
Reuters
Patrícia Abreu 29 de junho de 2017 às 14:46

A Comissão Europeia aprovou a proposta para a criação do produto europeu de poupança para a reforma (PEPP), uma espécie de PPR europeu, que prevê preencher uma lacuna em muitos países da União Europeia e oferecer uma alternativa de poupança para a reforma. O novo produto, que terá agora de ser discutido no Conselho e no Parlamento Europeu, poderá ser comercializado por bancos, gestoras, seguradoras e fundos de pensões dos vários países.


O novo produto pretende "dar aos aforradores maior escolha quando estão a deixar dinheiro de lado para uma idade mais avançada e fornecer-lhes produtos mais competitivos", adiantou a Comissão em comunicado. O PEPP poderá ser comercializado em qualquer país da UE, comercializado por bancos, seguradoras, fundos de pensões, bancos de investimento ou gestoras de activos, cumprindo um conjunto de características.


O objectivo destes produtos, que se assemelham aos PPR, é dar uma alternativa de investimento para a reforma aos cidadãos, estimulando a constituição de complementos para o fim da vida activa. De modo a que este novo produto não surja numa posição de desvantagem face a outros produtos, a Comissão Europeia propõe que "os Estados-Membros garantam o mesmo tratamento fiscal a este produto semelhante aos produtos nacionais existentes.


"Existem características que fazem todo o sentido neste tipo de produto. Em primeiro lugar deve ser um produto simples. As pessoas não têm muita apetência para estar a ler muita literatura relativamente a produtos. Quanto mais simples for a proposta melhor me parece para os cidadãos e para a própria gestão dos produtos", explicou Gabriel Bernardino, presidente da EIOPA, em entrevista ao Negócios, este mês.

O PEPP terá assim que cumprir um conjunto de condições, permitindo aos consumidores escolher um de cinco esquemas, obedecer a critérios de transparência, bem como ter custos competitivos para os investidores. Qualquer pessoa poderá aderir a este esquema de poupança, desde que se dirija a uma instituição a comercializar esta espécie de PPR europeu.

"Actualmente apenas 27% dos europeus entre os 23 e os 59 anos se alistaram num produto para a reforma. O PEPP pode contribuir para desbloquear este vasto potencial e aumentar o investimento na nossa economia", remata a Comissão Europeia.

A proposta da Comissão será agora discutida no Conselho e no Parlamento Europeu.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
eduardo santos 30.06.2017

Este P E P P , tem de ser bem explicado para que as pessoas possam fazer uma primeira avaliação de interesse .
A COMPRA SERÁ DINAMICA ? -- PODEREI VENDDER TAMBEM A QUALQUER MOMENTO ?
QUAL A DURAÇÃO MINIMA EM NOSSO PODER ? EM CASO DE RESGATE QUAL A TAXA DE JURO QUE O DEPOSITANTE VAI RECEBER ?
EM CASO DE NUNCA RESGATAR COMO VÃO AS PESSOAS TER O SEU BENEFICIO ?


Paragrafo único -- Qual o risco que corre quem adere a compra ? - O meu povo esta farto de ser roubado sem qualquer penalização aplicada pelo estado aos ladrões ! ....... que agora vemos foram autorizados a roubar...........................................por outros ladrões......!

Meu povo só tem duvidas............fomos convencidos que a europa é um cantinho de segurança em todos os aspectos de bens e pessoas, mas assim não acontece .

pub