Bolsa Mota-Engil e BCP avançam no quinto dia de valorizações da Bolsa de Lisboa

Mota-Engil e BCP avançam no quinto dia de valorizações da Bolsa de Lisboa

Lisboa acompanhou os ganhos da Europa e conseguiu fechar no verde. O BCP e a Mota-Engil ganharam e puxaram pelo índice. Mesmo assim, houve grandes empresas a fechar em baixa: EDP, Galp, Jerónimo Martins, Nos e CTT.
A carregar o vídeo ...
Diogo Cavaleiro 27 de setembro de 2017 às 16:39

A Bolsa de Lisboa apenas recuou em uma das últimas 14 sessões. Esta quarta-feira, 27 de Setembro, não foi excepção: o principal índice da praça nacional encerrou no verde, num dia de ganhos expressivos para a Mota-Engil e para o BCP. 

 

Apenas cinco empresas subiram mas, mesmo assim, o PSI-20 encerrou a ganhar 0,32% para 5.333,61 pontos. Foi o quinto dia consecutivo de avanços, que levou o índice para o valor mais alto em três meses. 

 

As bolsas europeias negociaram também esta quarta-feira em alta, sobretudo Madrid, cuja valorização chegou a ser próxima de 2%, mesmo apesar das incertezas do referendo para a independência da Catalunha, com data marcada para 1 de Outubro e que tem levado a um diferendo com o governo central.

 

Os mercados europeus ganharam de uma forma ligeiramente mais expressiva que as praças americanas. Nos EUA, há duas ideias a marcar a evolução das acções: por um lado, Donald Trump deverá anunciar esta quarta-feira a reforma fiscal, que deverá passar pela descida do imposto para as empresas e famílias; por outro, a convicção de que a Reforma Federal norte-americana vai subir os juros em Dezembro.

 

BCP em máximos de um mês

 

Em Lisboa, a maior parte das cotadas do PSI-20 (10 das 18) caíram, mas a força das subidas – e o facto de uma delas ser o BCP, que tem um grande peso no desempenho do índice – justificou que o índice tenha valorizado.


O BCP avançou 4,08% para valer 23,98 cêntimos, fechando na cotação mais elevada em mais de um mês. O valor por acção foi aumentando ao longo deste dia em que a presidente do Mecanismo Único de Supervisão, Danièle Nouy, afirmou que tem de haver mais fusões e aquisições na banca europeia – aliás, as subidas em Espanha foram sobretudo de empresas do sector financeiro.

 

Mota-Engil dispara com contratos

 

A marcar uma valorização expressiva esteve, igualmente, a Mota-Engil, que encerrou a valer 3,10 euros por acção, um ganho de 7,01% face ao fecho de ontem. A empresa fechou dois contratos em Moçambique e Angola que, à cotação actual, valem 430 milhões de euros. As adjudicações foram bem-vistas pelos analistas.

 

Em alta encerraram, também, a Pharol, que ganhou 2,04% para 0,35 euros, a Semapa, com um ganho de 0,55% para 15,44 euros, e ainda a Alti, com um avanço de 0,72% para 4,205 euros. De resto, o desempenho ou foi neutro ou negativo.

 

Dez empresas em queda

 

Foram dez as empresas que recuaram na bolsa nacional, incluindo pesos pesados. A Galp Energia, que hoje está a participar em leilões de petróleo no Brasil, cedeu 0,96% para 14,925 euros, afastando-se do máximos de 2011 que ontem registou. 

 

Na energia, a EDP cedeu 0,34% para 3,203 euros, sendo que a Renováveis perdeu 0,21% e acabou o dia a valer 7,183 euros. Uma nota negativa nas comunicações para os CTT, que cederam 1,45% para 5,018 euros, e para a Nos, cuja queda de 1,31% levou os títulos a uma cotação de 5,194 euros.

 

A Jerónimo Martins, que abriu um novo centro logístico em Portugal, cedeu 0,67% para 16,395 euros. A Sonae fechou a cotar em 1 euro, ao perder 0,10%.

 

Cimpor já não está cotada

 

Fora do PSI-20, também houve destaques. A Cimpor deixou de estar cotada, já que a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) aprovou a perda da qualidade de sociedade aberta, como pedido pela sua accionista InterCement, da Camargo Corrêa. A última cotação foi registada ontem: 36 cêntimos. A compra de acções aos accionistas que não votaram favoravelmente aquela decisão - e que quiserem vender - vai ser feita a 34 cêntimos por acção.
 

Nos media, também houve destaques. A Cofina (dona do Negócios) ganhou 13,94% para 0,474 euros, fixado-se em máximos de Novembro de 2015, enquanto a Impresa somou 1,68% para 0,303 euros.

 

(Notícia actualizada às 16:55 com mais informações)




A sua opinião32
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
o BCP continua ao preço de um REBUÇADO Há 3 semanas


o BCP continua ao preço de um REBUÇADO e os GRANDES TUBARÕES não andam a DORMIR

Ó ressabiaditos Há 3 semanas

Entao o BCP sobe e os shorts é que mandam? Sao shorts masoquistas que gostam de sofrer, é isso? E nao foi só hoje, é desde o Aumento de Capital que quem está longo ganha e quem está short perde. Porra, sois mais estupidos que uma porta.

Os shorts infestam o BCP... Há 3 semanas

... diz o tolinho (que saudades que eu tinha dele). Nem percebe a enormidade do disparate que diz. O BCP sobe mais de 70% desde o AC e hoje foram mais 4%. Quem está short está a perder um balurdio. Um balurdio. Quanta asneira junta. Mas enfim, é feliz assim. É deixá-lo na ignorancia.

DR. BCP Há 3 semanas

A todos anti bcp anti benfiquistas. Sabem como diz o brasileiro? vão tomar no cu.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub