Petróleo Petróleo em máximos de três semanas com optimismo em torno do acordo da OPEP

Petróleo em máximos de três semanas com optimismo em torno do acordo da OPEP

Os preços da matéria-prima estão a ser impulsionados pelo optimismo demonstrado pelo Irão, que acredita ser "altamente provável" um entendimento entre os membros do cartel na reunião de 30 de Novembro.
Petróleo em máximos de três semanas com optimismo em torno do acordo da OPEP
Bloomberg
Rita Faria 21 de Novembro de 2016 às 15:51

O petróleo está a reforçar os ganhos nos mercados internacionais esta segunda-feira, 21 de Novembro, impulsionado pelo optimismo em torno do acordo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) para reduzir a produção e estabilizar os preços.

O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, sobe 2,52% para 46,84 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, valoriza 2,88% para 48,21 dólares. Em ambos os casos, a matéria-prima negoceia no valor mais alto desde 1 de Novembro.

Esta evolução acontece depois de o ministro do Petróleo do Irão, Bijan Namdar Zanganeh, ter dito que é "altamente provável" os membros da OPEP chegarem a um entendimento na próxima reunião da cartel, a 30 de Novembro, sobre a forma como o acordo para reduzir a oferta será implementado.

Segundo avança o serviço noticioso Shana, o Iraque vai fazer propostas nesse encontro para facilitar o entendimento entre os vários países.

O petróleo recuperou de mínimos de oito semanas a 14 de Novembro, animado pelos esforços diplomáticos de um conjunto de países – incluindo a Argélia, Qatar e Venezuela – para garantir que há fumo branco na reunião de Viena.

A 28 de Setembro, contra a generalidade das expectativas, os membros da OPEP chegaram a acordo para limitar a produção a 32,5 milhões de barris por dia. No entanto, têm revelado dificuldades em estabelecer a forma como os "cortes" serão distribuídos entre os vários produtores, algo que poderá ficar definido já no final deste mês. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub