Obrigações Portugal vai pagar juros mais elevados no primeiro leilão do ano

Portugal vai pagar juros mais elevados no primeiro leilão do ano

O IGCP coloca dívida a cinco e sete anos. Agravamento dos juros deverá agravar os custos de financiamento da operação.
Portugal vai pagar juros mais elevados no primeiro leilão do ano
Mario Proenca/Bloomberg
Patrícia Abreu 08 de fevereiro de 2017 às 07:00
Portugal deverá pagar esta quarta-feira um juro mais elevado para colocar dívida a cinco e sete anos, no primeiro leilão de Obrigações do Tesouro (OT) do ano. Depois de um período sem emissões de dívida de longo prazo, o IGCP vai ao mercado tentar colocar até 1.250 milhões de euros, num momento em que as taxas de juro têm-se agravado no mercado secundário. Taxas deverão sair acima de 2,8%.

Depois de ter avançado com uma emissão de obrigações com um sindicato bancário no mês passado, a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) vai emitir esta quarta títulos com maturidade em Outubro de 2022 e Fevereiro de 2024.

O montante indicativo da operação é de entre 1.000 e 1.250 milhões de euros. As linhas que servem de referência para estas emissões seguem a negociar em mercado secundário acima de 2,8%, na maturidade a cinco anos e em 3,752%, a sete anos.

Na última operação em que emitiu dívida a cinco anos, em Novembro, Portugal pagou uma taxa de 2,112%, enquanto na última emissão a sete anos tinha pago um juro de 2,871%.

Apesar do agravamento dos  juros, David Schnautz espera que Portugal consiga colocar um valor próximo do intervalo máximo fixado pelo IGCP.

O estretago do Commerzbank destaca que a escolha destas maturidades "é boa", na medida em que os títulos com estes prazos são "mais fáceis de absorver de uma perspectiva de risco , o que é especialmente justificado dado o ambiente de mercado volátil".

As taxas de juro de Portugal têm-se agravado nas últimas semanas, com a "yield" a dez anos acima de 4,2%, a acompanhar o movimento de subida na Europa.

Além de estar a acompanhar o agravamento na região, os juros de Portugal têm ainda sido penalizadas pelo alerta de que o BCE tem uma margem de manobra reduzida para comprar títulos soberanos portugueses, tendo no último mês investido o valor mais baixo de sempre na compra de OT. 

Schnautz realça, porém, que os juros de Portugal estão já "em níveis demasiado elevados", com muitos riscos incorporados. Ainda assim, mantém uma "visão cautelosa" para a dívida nacional".



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado GabrielOrfaoGoncalves Há 2 semanas

16 (dezasseis) e não 160. 16 submarinos ou 16 pontes Vasco da Gama, e não 160, como, por lapso, referi.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Para o amigo do Portas (GabrielOrfaoGoncalves) que não sabe fazer contas... o negócio dos submarinos do seu amigo portas custaram mais de mil milhões, por isso os juros dava apenas para fazer 8 negócios iguai e não 160! A ponte Vasco da Gama custou 900 milhões e estamos a pagar ao Ferreira do Amaral

Anónimo Há 2 semanas

Afifanfales costa que é disto que eles gostam. Carrega nos impostos que não são impostos mas ajustamentos orçamentais para uma melhor justiça fiscal, diz-lhes que és um gajo porreiro, que o outro é que era o ladrão que roubou os funços, vai lhes dando música e o traseiro continuará na tal cadeira.

Fartodeimpostos Há 2 semanas

...alguém já explicou claramente aos contribuintes que andamos a ser "brtalmente sacados a impostos" para pagar juros!!? ... Nunca se pagou tanto imposto e continuamos igual ou pior!...isto tem de ter um fim! Haja coragem de negociar e de políticas menos populistas que nos custam os olhos da cara!

GabrielOrfaoGoncalves Há 2 semanas

Em juros da dívida pública, Portugal paga anualmente 8 mil milhões de euros. Só em juros. É o equivalente a 160 submarinos como os que Paulo Portas mandou que se comprassem. Ou o equivalente a 160 pontes Vasco da Gama. Os portugueses não se aborrecem nem um milímetro. Até parece que o dinheiro que lhes foge das mãos para os credores internacionais não faz cá falta... Em média, são 800 euros por cada português.

Resposta de GabrielOrfaoGoncalvesa GabrielOrfaoGoncalves Há 2 semanas

16 (dezasseis) e não 160. 16 submarinos ou 16 pontes Vasco da Gama, e não 160, como, por lapso, referi.

ver mais comentários
pub