Isabel Stilwell
Isabel Stilwell 04 de abril de 2017 às 20:10

E se for a Missa de Bach, já pode?

Ministério diz que é de evitar ensaios de cântico religiosos nas aulas de Educação Musical. Um Estado laico é uma conquista, o fervor anti-religioso já se dispensava.

Visitei o Mosteiro do Lorvão no domingo passado, escondido no fundo do vale, um ribeiro a correr-lhe às portas e uma longa história que começa no tempo dos visigóticos, e acaba com a extinção das ordens religiosas, ou melhor com a morte da última freira no final do século XIX. Foi uma visita apressada, porque chegava a procissão que transportava a cruz do calvário da igreja velha para a igreja do mosteiro, a banda composta de novos e velhos, a cadência da música pesada e triste a envolver-nos.

 

Pouco depois li o JN, dando de caras com um folhetim que, pelos vistos, já recebera honras de primeira página na véspera: uma mãe da escola básica de Alfândega da Fé, apresentara queixa porque a filha "andava a ensaiar cânticos católicos" nas aulas de Educação Musical, destinados a uma missa pascal, a realizar na escola. Em resposta, o delegado regional de Educação do Norte proibiu a Missa (não obrigatória, estando asseguradas atividades para os que não queriam participar), repreendeu a escola pelo ensaio dos cânticos religiosos, e avisou que as atividades noutras disciplinas "em caso algum podem colocar em causa o princípio legal da laicidade". 

 

A notícia não diz, mas presume-se que tanto o senhor como os ofendidos se vão todos apresentar ao trabalho na próxima Sexta-feira Santa, além de peticionarem a mudança do nome da localidade e o fim do feriado municipal que se goza no dia de S. Pedro. Sinceramente, as cruzadas contra o crucifixo não ficam a dever nada às que se movem contra a educação sexual nas escolas, ambas com um cheiro medieval de caça às bruxas.

 

É assustador este fervor anticatólico - se fosse uma cerimónia budista, ou de qualquer sessão de meditação com nome estrangeiro, ninguém levantava uma sobrancelha -, este terror de que a criança corra perigo moral por entoar um cântico religioso, ou participar numa cerimónia religiosa, assistindo e percebendo os rituais. Porque não é só negar aos nossos filhos a oportunidade de conhecer, para poder escolher, é recusar-lhe as ferramentas para compreender a cultura e a mentalidade a que pertencem. Como entenderão as obras de arte que veem nos museus, os livros que leem, a música que escutam num concerto, as raízes da nossa justiça, afinal toda a nossa História?

 

Há dias, ao receber o prémio Fernando Pessoa, o professor Frederico Lourenço lamentava a falta de Grego e Latim no ensino secundário, e perguntava quem iria ler todos os documentos nos arquivos religiosos e seculares, exclusivamente em latim até ao tempo de D. Dinis, muitas vezes em latim depois disso. Na pressa de andar para a frente, atropelamos demasiado o passado, o que obviamente nos roubará o futuro.

 

É fundamental um Estado laico, e uma escola laica, mas como diz Jorge Bacelar Gouveia, jurista e antigo membro da Comissão da Liberdade Religiosa, "a liberdade religiosa não significa o apagamento ou desaparecimento das manifestações religiosas no espaço público. Porque isso seria, no fundo, obrigar a comunidade a converte-se a uma religião que é a não-religião". Se não tivermos cuidado, o menino vai com a água do banho, mas para já aguardo, expectante, a proibição na escola das manifestações omnipresentes da nova religião maioritária, o futebol - como é possível que ainda se permita que seja jogado no recreio? 

 

Jornalista

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico 

A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Priscila Há 2 semanas

Música tem muito a ver com os Católicos, eles são inclusos entre os melhores musicistas!!!!
Tadinha da menina com uma mãe dessa!!!!
#BemVindos ao Estado Laico Brasileiro que só existe na teoria.!

Gonçalo Garrett 18.04.2017

Já lá estive, em Lorvão, e recomendo vivamente. Quanto ao folhetim, é demasiadamente patético, não tanto pela atitude da mãe, mas pela subserviencia de um sistema saloio e inculto, que nao sabe o que é laicidade e continua a arrancar as raízes mais peofundas da sua identidade civilizacional.

Anónimo 07.04.2017

Acho o titulo do artigo um pouco mal usado.
Especialmente porque analisar Bach e a sua missa e uma experiência de aprendizagem e não o uso de crianças para animações religiosas. Achei a comparação feita um pouco fora de senso mas concordo que as escolas publicas devem ser um sitio livre de religião

Mauricio 06.04.2017

o problema maior, parece-me, é que nem uns são melhores do que os outros, nem os outros são melhores do que os uns. Que história é essa de se ter de ser católico para se entender a música? Só um preto entende jazz, porque os antepassados foram escravos?

ver mais comentários
pub
pub
pub