Diogo Santos Teixeira
Diogo Santos Teixeira 13 de fevereiro de 2017 às 10:47

Investidor cidadão

Aplicar as poupanças em Certificados do Tesouro e outras dívidas do Estado é uma falta de senso absoluto! O cidadão preocupado com a utilidade económica das suas poupanças deverá procurar intervir diretamente (...) no desenvolvimento das empresas.
Se os governos deixaram parte das suas prerrogativas nas mãos de entidades como a União Europeia, o BCE, a OMC ou o FMI, os cidadãos descobrem que têm poderes para além dos que decorrem do seu voto. Decidem como consomem e aplicam as suas poupanças!

O campo pro-Trump lançou recentemente um apelo ao boicote das cervejas Budweiser, depois da difusão de um anúncio que mostrava a caminhada épica e comovente do seu fundador Adolphus Busch, um emigrante alemão que fundou em 1876 aquilo que se tornou uma das maiores empresas de cerveja mundial. Dias depois, a cadeia de vestuário Nordstrom terminou a sua parceria com Ivanka Trump, desencadeando a fúria via Twitter do seu pai presidente. Nordstrom estava no topo de uma lista de marcas a boicotar, publicada no site "Grab your Wallet" que referencia empresas de bens e serviços com ligações ao império Trump.

A polarização do debate político nos Estados Unidos traz-nos exemplos diários de apelos como estes, a um "consumo cidadão" que procura influenciar as empresas nas suas escolhas de fornecedores, de locais de investimento e de mensagens promovidas. Essa influência é amplificada pela ressonância das redes sociais, que é reforçada quando as mensagens são enviadas ou reencaminhadas pelo próprio presidente dos Estados Unidos!

Esse poder de influência do cidadão não se limita ao que consome. A forma como poupa e investe tem um impacto superior, apesar de mais discreto. Se o cidadão americano tivesse poupado e investido como o português, teria sido provável que o desempenho da economia americana fosse próximo do nosso: entre 2000 e 2015, o PIB em dólares por habitante em Portugal estagnou, enquanto progredia cerca de 15% nos Estados Unidos. Esta divergência é ainda mais grave se considerarmos o facto de Portugal partir de um nível baixo, correspondendo a cerca de metade do americano: os portugueses continuam pobres, enquanto os americanos estão, em média, cada vez mais ricos.

Felizmente esta constatação do passado não é sinónimo de um futuro inelutável! O cidadão português pode mudar a forma como poupa e investe para transformar a dinâmica de criação de riqueza do país. Aqui vêm algumas pistas!

Em primeiro lugar, parece trivial, mas para investir é preciso poupar. Com taxas de poupança próximas de 0% em Portugal, ou mesmo negativas se considerarmos apenas a poupança financeira, o nosso país tornou-se o pior aluno da OCDE nessa matéria. O período "pos-troïka" ficou marcado com a restituição de salários na função pública, a diminuição das retenções extraordinárias e a queda significativa da taxa de desemprego, ao mesmo tempo que caía a taxa de poupança! Difícil de entender…

Enquanto cidadão investidor, quero que a minha poupança sirva para "gerar riqueza". Aplicá-la em Certificados do Tesouro e outras dívidas do Estado é uma falta de senso absoluto! É oportuno duvidar da capacidade da despesa pública, mesmo bem gerida, em gerar crescimento. E quanto mais os cidadãos forem reticentes a financiar o Estado de olhos fechados, maior será o incentivo para uma gestão prudente da despesa pública.

Se formos mais longe, o cidadão preocupado com a utilidade económica das suas poupanças deverá procurar intervir o mais diretamente possível no desenvolvimento das empresas. Depósitos bancários não são a solução, já que servem principalmente para financiamento imobiliário e consumo, pouco ou nada produtivo. E quando por sorte os bancos financiam empresas, os "casos" e os valores exorbitantes de crédito malparado sofridos pela banca portuguesa mostram-nos que os critérios de seleção nem sempre são os mais adequados. Financiar "empresas zombie" ou "empresas estratégicas" não é do interesse do investidor cidadão.

Que soluções é que restam para quem quer investir utilmente? Com a bolsa portuguesa a servir de espantalho para os mais atrevidos, promover o investimento em ações não é tarefa fácil. Ainda mais quando não existe do lado dos empresários portugueses a vontade de abrir o capital das suas empresas, de investir numa expansão nacional ou internacional, e de uma forma mais geral, de deixar de considerar as empresas que gerem como uma extensão do seu património individual.

Enquanto não existirem condições para um investimento cidadão eficaz em Portugal, resta-nos alargar o círculo de possibilidades e apostar em empresas europeias. Nos últimos 8 anos, o índice de médias empresas francesas cresceu 18% ao ano, enquanto o PSI20 perdia 4,2% ao ano. E a sua poupança, quanto é que rendeu?


Este artigo foi redigido ao abrigo do novo acordo ortográfico.


A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 13.02.2017

Volto porque acabo de ler nesta mesma edição do JNegócios
"Pergunta para um milhão de euros: França é um risco para os mercados europeus?
Os investidores estão mais cautelosos com o risco político na Europa, especialmente em França. ..."
O que é que o opinador diz a isto?


Anónimo 13.02.2017

Li o artigo com o máximo interesse. Mas no final ... a montanha pariu um rato!
A verdade é que as bolsas europeias em geral estão em queda há muito tempo. A França foi uma excepção?
O autor sabia disso no início do ano? Podia ter avisado!

Alvega 13.02.2017

Gostei do artigo, entendi, mas na prática....como vou eu investir em ações, se ao dirigir-me a um qualquer banco, sou logo encaminhado para produtos, TÓXICOS, DUVIDOSOS, ou descaradamente INTERESSEIROS ?
Como investir se as empresa aldrabam os relatórios e contas, ou não fornecem a totalidade da informação, ou se fornecem, sendo esta ininteligível para a maioria dos cidadãos ?
Como investir se (dando como exemplo) ao comprar obrigações da suposta PT eu estava a comprar algo de uma subsidiaria criada para esconder custos ? (não foi o meu caso, felizmente)
Como investir, seguindo concelhos (como o do ex Presidente) em algo que dias depois se revelou um ROUBO de todo o tamanho ?
Como investir se quem deveria salvaguardar os meus interesses, "policiando as regras e seu cumprimento", acaba por se revelar na maioria dos caso IMPOTENTE, para tal (para no lhes chamar outra coisa), permitindo todos e mais alguns desmandos com o meu dinheiro ?
Vou é comprar uma fábrica de colchoes.....

Anónimo 13.02.2017

O articulista tem toda razão, mas que tal uns exemplos?