Filipe Garcia
Filipe Garcia 25 de junho de 2013 às 01:22

"O Otimista Racional"

Este é um livro diferente do habitual. O mais comum é que se publiquem textos com previsões sobre o que está ou pode correr mal, as crises e perigos do presente e do futuro. O medo e a vontade de conhecer o porvir sempre foram bons argumentos de venda e os autores têm explorado bem esse filão para publicar milhares de livros ao longo dos tempos.

Nota: Este artigo está acessível antes da meia-noite para assinantes do Negócios Primeiro. Ao início da tarde seguinte, são abertos a todos os leitores.

 

Este é um livro diferente do habitual. O mais comum é que se publiquem textos com previsões sobre o que está ou pode correr mal, as crises e perigos do presente e do futuro. O medo e a vontade de conhecer o porvir sempre foram bons argumentos de venda e os autores têm explorado bem esse filão para publicar milhares de livros ao longo dos tempos.

Matt Ridley, o autor deste "O Otimista Racional" vai por um caminho diferente e prefere adotar um discurso otimista acerca do futuro. No entanto, não se trata de um otimismo vão, mas sustentado em bases racionais. São mais de 500 páginas de argumentos que sustentam que o futuro será risonho para a Humanidade como, defende o autor, sempre foi em termos agregados.

Segundo Ridley, este livro trata da "rápida, contínua e incessante mudança que, como nenhum outro animal, a sociedade humana experimenta". O objetivo do livro é mostrar como o Homem deve abraçar a mudança, como sempre o fez e ser racionalmente otimista para melhorar o mundo em que habita. O otimismo racional sustenta que o mundo sairá das crises graças à forma como os mercados de bens, serviços e ideias permitem aos seres humanos trocar e especializar-se para que todos melhorem.

A ideia de base de "O Otimista Racional" é que o conhecimento "capitaliza". Ou seja, a criação de conhecimento faz-se em cima do conhecimento existente – ver a frase em destaque - e quanto mais facilitado for o processo de troca de ideias alicerçado no princípio da especialização, mais conhecimento, progresso e bem-estar é gerado. A humanidade é, portanto, "uma máquina coletiva de resolução de problemas e que os soluciona alterando os seus hábitos" e em que se torna crucial a eficiência do mecanismo de troca de ideias.

Ao longo dos capítulos, Matt Ridley vai mostrando alguns dos obstáculos que a Humanidade foi superando através da mudança e da adaptação. É um livro bastante interessante, um pouco longo, mas ligeiro, cheio de História e histórias, que ajuda a ver a "big picture" e a tomar um viés mais otimista sobre o Mundo. E que falta isso faz nos dias de hoje!

Economista da IMF, Informação de Mercados Financeiros

filipegarcia@gmail.com

Este artigo de opinião foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub