Política António Costa afasta mexidas nas horas extra e nos dias de férias

António Costa afasta mexidas nas horas extra e nos dias de férias

O primeiro-ministro fechou a porta a alterações ao Código do Trabalho que impliquem aumentos no valor das horas extraordinárias ou nos dias de férias. A prioridade será resolver os casos de precariedade e a contratação colectiva.
António Costa afasta mexidas nas horas extra e nos dias de férias
Miguel Baltazar
Bruno Simões 05 de dezembro de 2016 às 23:29

António Costa rejeitou esta noite, preto no branco, que o Código do Trabalho possa voltar aos tempos pré-troika. Em entrevista à RTP, o primeiro-ministro começou por dizer que "não está previsto no programa do Governo" mexer no valor das horas extraordinárias ou aumentar os dias de férias. À saída foi ainda mais claro: esses temas "não estão em cima da mesa".

 

Questionado sobre se o Código do Trabalho vai ser revisto, António Costa começou por elencar as prioridades do Governo para 2017. "Desbloquear as questões de contratação colectiva" e "combater a precariedade são as dimensões que são centrais", começou por dizer. Questionado depois sobre se admitiria rever o pagamento das horas extraordinárias, o primeiro-ministro disse que tal "não está previsto no programa do Governo".

De acordo com os entrevistadores, essa possibilidade não seria do agrado das confederações patronais.

 

À saída da RTP, e questionado sobre as mexidas nas horas extra e no aumento dos dias de férias, Costa foi ainda mais claro. "Isso não está em cima da mesa, os senhores conhecem o nosso programa de Governo, é o que lá está". E estas duas medidas "não" estão, confirmou.

 
Relatório sobre precariedade no Estado está a ser corrigido

Para 2017, a aposta será combater a precariedade. Costa lembrou que foi "apresentado o livro verde sobre as relações laborais, no qual queremos tratar a questão da precariedade". Relativamente aos precários do Estado, lembrou que "houve um primeiro relatório que foi feito e está a ser corrigido", porque "é preciso depurar as diferentes situações". "Uma coisa são contratos a termo que são precariedade" porque se trata de "funções permanentes que estão em contrato temporário". Coisa diferente são os "contratos a prazo para funções temporárias".

Outra situação "são os bolseiros", que são "pessoas que têm os mestrados e doutoramentos feitos, continuam a fazer trabalho como investigadores ou a leccionar com base em bolsas" que "devem ser integrados nos quadros" das universidades. Costa garante que "2017 vai ser o ano para enfrentar e para resolver essa situação". "Queremos no início do ano iniciar o processo, não é um processo instantâneo, mas em 2017 queremos ter isso no terreno", antecipou.

 

O PS prevê que o levantamento dos precários no Estado esteja feito até ao final de Março de 2017 e que os primeiros postos de trabalho para os integrar sejam abertos a partir de Outubro. António Costa nada disse sobre a possibilidade de integrar professores nos quadros, que tem sido uma das exigências do Bloco de Esquerda e que consta, aliás, da posição conjunta assinada com o PS.


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 06.12.2016


IGUALDADE PARA TODOS

Os cortes nas PENSÕES ATUAIS devem, obrigatoriamente, ser IGUAIS aos cortes nas PENSÕES FUTURAS!

comentários mais recentes
Anónimo 06.12.2016


IGUALDADE PARA TODOS

Os cortes nas PENSÕES ATUAIS devem, obrigatoriamente, ser IGUAIS aos cortes nas PENSÕES FUTURAS!

pub
pub
pub
}
pub