Economia Daniel Bessa: "Não há razão nenhuma para não ser corrupto em Portugal"

Daniel Bessa: "Não há razão nenhuma para não ser corrupto em Portugal"

O ex-ministro da Economia culpa os incentivos públicos por muitos dos erros cometidos no sector privado e ironiza que "não há problema nenhum" com a formação dos preços da energia em Portugal. "É tudo legal", desabafa.
Daniel Bessa: "Não há razão nenhuma para não ser corrupto em Portugal"
Miguel Baltazar/Negócios
António Larguesa 09 de junho de 2017 às 16:50

"Muitas vezes, o mau desempenho é privado, mas os incentivos são públicos". É por esta razão que Daniel Bessa, economista e professor universitário, considera que esta questão "toca à política" e que também não hesitou em abordá-la esta sexta-feira, 9 de Junho, perante o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral.

 

O homem que ocupou fugazmente a pasta económica nos primórdios da governação de António Guterres sustentou que "não há razão nenhuma para não ser corrupto em Portugal", argumentando que "mesmo que venha a ser [condenado] judicialmente, para a cadeia não vai". "A coisa há-de prolongar-se o tempo que seja suficiente até que morra. E isso é um tema de sistema de incentivos e de administração", completou.

 

Num debate sobre competitividade, organizado pela Porto Business School, Bessa notou que é esse tipo de incentivos que leva os privados a investir em sectores não transaccionáveis. E recorreu aos indicadores do país no ranking mundial da competitividade do IMD, que em 2017 manteve Portugal na segunda metade da tabela, para assinalar que uma das vantagens de Portugal é ser barato – da mão-de-obra aos escritórios –, mas no tópico da energia cai para 55.º em 63 economias analisadas. "Andamos a falar sobre isso nos últimos dias", desabafou, sem se referir explicitamente à investigação judicial que envolve a EDP e vários gestores, como António Mexia ou João Manso Neto.

 

Há uma série de interesses que condicionam a legislação e a administração no sentido de determinado tipo de investimento.Daniel Bessa, economista

Como o Negócios noticiou esta semana, as famílias portuguesas pagam a quarta electricidade mais cara entre os 28 países da União Europeia. Quase metade do que pagam na factura da luz vai para taxas e impostos, onde se contam os polémicos Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC). Continuando a abordar o tema do custo da energia, o economista ironizou que "não há problema nenhum, é tudo legal".

 

"Há aqui uma questão que tem a ver com o sistema de incentivos, com uma série de interesses que condicionam a legislação e a administração no sentido de determinado tipo de investimento. E, portanto, é um dos temas mais importantes que se colocam ao nosso país", resumiu Bessa, no final de uma semana em que o ex-ministro Álvaro Santos Pereira atestou que "o lóbi da energia é dos mais fortes em Portugal" e em que o ex-secretário de Estado da tutela, Henrique Gomes, denunciou que ele "tem condicionado os governos", tendo sido mesmo o responsável pela sua saída do Executivo anterior.

 

Carlos Tavares, que agora é assessor da administração da CGD, admite que as empresas que precisam de levantar capital “ainda não encontram uma resposta suficientemente adequada” no sistema financeiro.
Carlos Tavares, que agora é assessor da administração da CGD, admite que as empresas que precisam de levantar capital “ainda não encontram uma resposta suficientemente adequada” no sistema financeiro.
Miguel Baltazar

Carlos Tavares, que no final do ano passado assumiu funções como assessor da administração da Caixa Geral de Depósitos, concordou que, "de facto, hoje o que resta à política económica é criar os incentivos correctos ou, pelo menos, não criar os incentivos errados". E recordou que "muita da má afectação de investimento deve-se a incentivos de política e regulatórios errados e que encaminham o investimento para os sectores errados". Aliás, acrescentou, "o próprio Estado foi um grande investidor no sector não transaccionável e acumulámos uma grande dívida pública e privada para investir em sectores que não foram os mais eficientes".

 

O ex-presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), que viu Gabriela Figueiredo Dias suceder-lhe nesse cargo, sublinhou ainda que "o próprio sistema financeiro tem responsabilidade na forma como os recursos foram afectados de forma menos eficiente", ainda que reagindo a estímulos regulatórios e de política desadequados. "Aí acho que há falhas no apoio a empresas que querem investir, que querem levantar capital e que hoje não encontram ainda uma resposta suficientemente adequada do sistema financeiro", concluiu.

Empresa e accionistas: Tavares critica "dupla tributação"

Carlos Tavares reclama a diminuição da carga fiscal "sobre as empresas e sobre aqueles que nelas investem as suas poupanças", fixando como objectivo a "eliminação completa" daquilo que considera ser uma dupla tributação: à própria empresa e aos accionistas. "Um empresário que arrisque em Portugal, se a coisa correr mal sofre 100% do prejuízo; se correr bem tem um sócio – às vezes pouco silencioso – que lhe leva 50% ou mais dos resultados", sintetiza. O ex-líder da CMVM e actual assessor da CGD mostra-se ainda em "total desacordo" com a tese de que "importante na política fiscal é a estabilidade, mesmo que seja alta". E critica o uso sistemático dos Orçamentos do Estado (OE) como "instrumento para fazer política fiscal", numa altura em que a preparação do OE 2018 é dominada pelo debate à esquerda sobre o IRS.




A sua opinião56
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 10.06.2017

Nem os "grandes" nem os "pequenos" devem ter oportunidade ou autorização para "gamar". O problema é que, sendo "grandes" ou "pequenos", no sector público português só não gama quem não quer. E quase todos querem, quanto mais não seja para não se sentirem excluídos ou ostracizados. Sofrem de FOMO - Fear Of Missing Out.

comentários mais recentes
Anónimo 12.06.2017

Os ofertantes de factor produtivo trabalho no mercado laboral devem perceber que quando não existe procura para o tipo de trabalho que têm para oferecer ou quando a oferta desse tipo de trabalho se expande pressionando o preço de mercado para baixo, o Estado, a economia e sociedade não têm a obrigação de se deixarem pilhar para lhes oferecer um tão generoso quanto irrealista nível de vida ambicionado, baseado em expectativas exageradas e fantasiosas. Em alternativa, esses ofertantes até ai tomados por um falso sentido de auto-elegibilidade que o respectivo sindicato ou ego corrompido lhes incute, devem estar dispostos a oferecer trabalho com real procura mesmo que o seu preço de mercado esteja abaixo das suas expectativas pessoais e a criar propriedade intelectual, a empreender ou investir obtendo por essas vias royalties, lucros, mais-valias, dividendos, rendas e juros.

Anónimo 12.06.2017

Que ele pensava assim, não será novidade para ninguém, nunca o PS o tivesse admitido num Governo, sería um qualquer cidadão, Assim esse facto deu para oportunisticamente, se virar contra Governos do PS, ganhando notariedade e usado pela direita, como de um PS se tratasse.

Anónimo 12.06.2017

Este país tem gente a mais a ganhar demais face ao valor que criará, cria ou criou. Não são portanto de estranhar as falências cíclicas do país, a sua constante dependência e as crises que ele vive.

Anónimo 12.06.2017

Enfim..mais do mesmo. A direita milionária sempre sugou e sempre vai sugar Portugal, o verdadeiro cancro do País. A pior parte é que nenhum deles sequer cumpre um dia de cadeia.

ver mais comentários
pub