Mercado de Trabalho Eurostat contraria INE e diz que desemprego estabiliza nos 9,8%

Eurostat contraria INE e diz que desemprego estabiliza nos 9,8%

A taxa de desemprego em Portugal estabilizou nos 9,8% em Maio, de acordo com o Eurostat. O INE tinha reportado uma queda para 9,4% no mesmo mês.  
Eurostat contraria INE e diz que desemprego estabiliza nos 9,8%
Paulo Duarte
Nuno Carregueiro 03 de julho de 2017 às 10:32

Habitualmente os dados do desemprego publicados pelo Eurostat são iguais aos reportados pelo INE. Mas no relatório publicado esta segunda-feira, 3 de Julho, pelo gabinete de estatísticas da União Europeia os dados diferem e por uma margem até substancial.

 

Na passada sexta-feira, 30 de Junho, o INE reportou que a taxa de desemprego em Portugal desceu para 9,5% em Abril, três décimas abaixo do divulgado anteriormente. E que a taxa de Maio, de acordo com a estimativa preliminar, baixou para 9,4%.

 

Os dados do INE são habitualmente publicados um ou dois dias antes do relatório do Eurostat, precisamente para o gabinete de estatística europeu incorporar as actualizações do instituto português no seu relatório.

 

Mas desta vez o Eurostat não o fez. Além de ter mantido a taxa de desemprego em Abril no 9,8% (tal como o INE tinha anunciado na primeira estimativa revelada em Maio), também revela que em Maio a taxa estabilizou no mesmo valor. Assim, de acordo com o gabinete europeu, a taxa de desemprego em Portugal está estável há três meses (entre Março e Maio) nos 9,8%.

 

Um cenário bem diferente do reportado pelo INE, que coloca a taxa de desemprego de Maio em mínimos de 2008 (9,4%) e quatro décimas abaixo do reportado pelo Eurostat (9,8%).

 

No número de desempregados os números do INE também não batem certo com os do Eurostat. O instituto português contabiliza 484,8 mil pessoas sem trabalho em Portugal, enquanto o Eurostat aponta para 508 mil, um número que até se situa acima do registado em Abril (504 mil).

 
De acordo com uma nota emitida posteriormente pelo INE, o Eurostat vai esta tarde corrigir os dados referentes a Portugal.


Desemprego estabiliza na Zona Euro

 

De acordo com o Eurostat, Portugal continua a ser o quinto país da Zona Euro com a taxa de desemprego da região (sexto da União Europeia).

 

A taxa de desemprego na Zona Euro estabilizou em Maio nos 9,3%, a que corresponde o registo mais baixo desde 2008. As estimativas do Eurostat apontam para a existência de 19,115 milhões de pessoas desempregadas na União Europeias, sendo que 15,034 milhões estão na Zona Euro.

 

Alemanha (3,9%) e Malta (4,1%) são os países da Zona Euro com a taxa de desemprego mais reduzida, enquanto a Grécia (22,5%) e Espanha (17,7%) registam os valores mais elevados.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
miguel 03.07.2017

Não seria a primeira que o Eurostat se engana a fazer copy paste, e corrige mais tarde.

Anónimo 03.07.2017

Para salvar o excedentarismo de carreira ou "a dignificação" da alocação vitalícia de factor produtivo trabalho sem qualquer procura e justificação no sector público o governo PS reduziu o investimento público em bens de capital necessários em áreas muito importantes com crescente procura e incontestável pertinência. Por isso, alguns portugueses têm agora direito ao crematório público como o de Pedrógão, ao roubo de armas de guerra nos paióis como o de Tancos e ao INEM encerrado à noite por esse país fora... Que mais avanços "a pensar nas pessoas" estarão para chegar a Portugal devido à constituição socialista, à anacrónica lei laboral e ao sindicalismo troglodita? Viva a Frente Comum. Viva o socialismo lusitano e o fim da austeridade.

Anónimo 03.07.2017

O apagão que faltou em Pedrógão afinal foi feito no fisco. Mais uma prova de que a alocação incorrecta de factores produtivos no Estado é a ruína dos portugueses e ninguém quer ver isso porque tanto apagão está a pôr os portugueses completamente às escuras.

pub