Economia Fernando Fernández: "Portugal voltou a ser um foco de atenção dos investidores internacionais"

Fernando Fernández: "Portugal voltou a ser um foco de atenção dos investidores internacionais"

O professor da IE Business School e antigo economista do FMI diz que "Portugal está na moda" depois da Standard & Poor's ter retirado a classificação de "lixo". Mas alerta que o crescimento potencial continua a ser reduzido.
A carregar o vídeo ...
André Veríssimo 27 de setembro de 2017 às 13:16

"Portugal está na moda. Portugal voltou a ser um foco de atenção dos investidores internacionais", garante o prestigiado professor de economia da IE Business School, Fernando Fernández numa reacção à melhoria da classificação de risco do país pela Standard & Poor's.

Dois factores explicam a mudança de percepção por parte dos investidores internacionais. "Em primeiro lugar, a Standard & Poor’s subiu finalmente o 'rating' da economia portuguesa, abandonando a classificação de 'lixo'. A segunda boa notícia é que Portugal conseguiu cumprir as metas para o défice público, o valor deste ano está em redor de 1,5% do PIB, o que significa que deixa de estar no Procedimento de Défices Excessivos da União Europeia e abandona a austeridade orçamental". 

Fernando Fernández considera que "Portugal pode a partir de agora ter uma política orçamental que sustente o crescimento económico, porque conseguiu consolidar a sua situação orçamental".

O economista salienta num depoimento em vídeo a descida do custo de financiamento das empresas portuguesas, que se aproximou do das alemãs, o crescimento de 15% das exportações e a diminuição da taxa de desemprego. "Com este crescimento e o boom do turismo, Portugal tem pela frente anos bons".

Fernando Fernández considera que "Portugal é uma história de êxito de ajuste europeu", e uma demonstração de que a estratégia seguida pela União Europeia acabou por ser bem sucedida.

Mas avisa que "nem tudo está resolvido". "Portugal continua a ter problemas. O potencial de crescimento a médio prazo da economia portuguesa é baixo e o país continua a precisar de flexibilizar a sua estrutura produtiva. Necessita de continuar a flexibilizar e a liberalizar o mercado de trabalho. E sobretudo, precisa de criar condições económicas para fomentar o investimento privado, como a estabilidade macroregulatória e a estabilidade fiscal, que são fundamentais". 




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Seguro morreu de velho.... 27.09.2017


Como cidadão Português, nado em Portugal e que quer morrer em Portugal, mas temporariamente a viver fora de Portugal – congratulo-me e orgulho-me que os títulos de dívida pública do meu País tenham deixado de ser lixo.Mas como cidadão investidor, se não deixo de recordar e fazer meus os princípios éticos e cívicos do anti-Trump Warren Buffett, também nunca esqueço o seu sábio conselho para investir em Bolsa : “Be fearful when others are greedy and greedy only when others are fearful”. Abraço para os meus Compatriotas investidores Portugueses, e que a esta hora o sol brilhe intensamente no Tejo e em todo o Portugal, e que continue a brilhar muito sobre o futuro do País inspirando os seus Governantes a cuidarem do futuro da próxima geração, sem menosprezo da atual.

comentários mais recentes
Já não Há Mentira que Pegue 27.09.2017

Não se vê Razão para votar em outro Partido nas eleições, que não PS, vê-se Todas as Razões para Votar no PS, 1º porque ninguém quer voltar a Trás, aos Saques do PSD e CDS, 2º Acabar com a dependência do BE, já que o PSD se Auto Excluio das Soluções para Portugal, agarrados que estavam ao TACHO.

Os gatos que alguns invocam não 27.09.2017

passam "parasitas" que alguns fazem questão de alimentar. Uns por imbecilidade, outros porque lhes dá jeito politicamente, outros ainda por mero negocio de venda e audiências jornalísticas. É assim que vivemos, onde a coerência, o respeito e tolerância, foi as urtigas, tudo em nome de nadaaaaaaaa

Seguro morreu de velho.... 27.09.2017


Como cidadão Português, nado em Portugal e que quer morrer em Portugal, mas temporariamente a viver fora de Portugal – congratulo-me e orgulho-me que os títulos de dívida pública do meu País tenham deixado de ser lixo.Mas como cidadão investidor, se não deixo de recordar e fazer meus os princípios éticos e cívicos do anti-Trump Warren Buffett, também nunca esqueço o seu sábio conselho para investir em Bolsa : “Be fearful when others are greedy and greedy only when others are fearful”. Abraço para os meus Compatriotas investidores Portugueses, e que a esta hora o sol brilhe intensamente no Tejo e em todo o Portugal, e que continue a brilhar muito sobre o futuro do País inspirando os seus Governantes a cuidarem do futuro da próxima geração, sem menosprezo da atual.

Anónimo 27.09.2017

A AE a Continental a EDP, a Altice e outras empresas "manhosas" estão na eventualidade de se deslocar e agora aparecem com notícias destas? Eleições?

ver mais comentários
pub