Economia PGR: Buscas nas Finanças no âmbito de um inquérito “sem arguidos” e “em segredo de justiça”

PGR: Buscas nas Finanças no âmbito de um inquérito “sem arguidos” e “em segredo de justiça”

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou hoje as buscas realizadas na sexta-feira, "para recolha documental" ao gabinete do ministro das Finanças, num inquérito que "não tem arguidos constituídos e está em segredo de justiça".
PGR: Buscas nas Finanças no âmbito de um inquérito “sem arguidos” e “em segredo de justiça”
Lusa 27 de janeiro de 2018 às 14:07

"Confirma-se a realização de buscas para recolha de prova documental no âmbito de um inquérito em investigação no DIAP de Lisboa. O inquérito não tem arguidos constituídos e está em segredo de justiça", disse à agência Lusa fonte oficial da PGR.

As buscas por magistrados do Ministério Público no Ministério das Finanças já tinham sido confirmadas por uma fonte do gabinete do ministro Mário Centeno, depois de a notícia ter sido avançada pelo Correio da Manhã.

Fonte do ministério confirmou à agência Lusa "a realização de ações inspetivas", garantiu a colaboração "de forma franca", colocando "à disposição das autoridades judiciárias todos os elementos solicitados".

O executivo não revela o motivo das "ações inspetivas", "respeitando o segredo de Justiça", ainda segundo a mesma fonte.

Na sua edição de hoje, o CM noticia as buscas, afirmando que foram feitas por magistrados da 9.ª secção do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP), que lida com o crime económico.

O jornal não adianta o motivo das buscas, mas lembra que se encontram em investigações processos ligados à Operação Ciclone, envolvendo a EDP e a REN quanto ao Mecanismo dos Custos para a Manutenção de Equilíbrio Contratual (CMEC) ou ainda o caso das viagens de membros do Governo a França para assistir a jogos do europeu de futebol, em 2016.

 




A sua opinião18
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
nell 29.01.2018

mau mto mau centeno vendestes-te ao diabo por duas moedas desmereces tudo q. de bom te aveio ... quem se mete com porcos farelos come e tu estás bem gordinho aproveita a pia bem lambuzada seu burriquito podias ser admirado pelo bem ahora vais ser mal pior dos males a indignação de povo...

O podre não acabou 28.01.2018

Já a casa de luxo que foi posta em nome da ex-mulher do preso 44 foi sob avaliada pelas Finanças. Mais um favorecimento de corruptos. Centeno fugiu para Bruxelas onde está confortavelmente a divertir-se com os impostos dos contribuintes. Já cá canta.

O MP A MOSTRAR "SERVICO"? ENTAO E O OUTRO ex-PM... 28.01.2018

ESTA PGR e uma permanente caixinha de surpresas!
Agora o ALVO e o MINISTRO DAS FINANCAS.
NA verdade o homem,mais q outro,e o responsavel por ter mandado o/s emissario(s) do DIABO de volta praonde nunca devia(m) ter saido.
So q o emissario chefe,ferrou-nos"tecnoformicamente" e NADA LHE ACONTECEU

CARREGUE, Sra. PGR ! ! ! 27.01.2018

A partir de quando é que cidadãos com funções públicas metem na cabeça que devem, que têm de ser irrepreensíveis no recebimentos de favores ou prendas, os quais os deixam numa posição fragilizada e devedora, em relação a quem, capciosamente, fez a oferta corrompente ?
NEM UM BOTÃO DEVEM RECEBER !

ver mais comentários
pub