IRS Rocha Andrade: "Baixar o IRS em 600 milhões implica cortes na despesa"
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
IRS

Rocha Andrade: "Baixar o IRS em 600 milhões implica cortes na despesa"

Não há reduções de impostos grátis. Para o Estado abrir mão de 600 milhões de euros de IRS, como o Bloco de Esquerda quer, será preciso cortar a despesa noutras áreas, avisa o secretário de Estado do Fisco. Aumentar impostos indirectos para compensar o IRS não está nos planos.
Rocha Andrade: "Baixar o IRS em 600 milhões implica cortes na despesa"
Bruno Simão

O prazo para a apresentação do Orçamento do Estado para 2018 vai-se encurtando, mas o discurso do Governo relativamente ao IRS não muda. Os escalões do IRS são para rever, mas o Governo só dispõ

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
GabrielOrfaoGoncalves Há 3 semanas

Mas qual é o problema? Desde quando é que os tugas (não, eles nunca serão Portugueses!) se importam de ter menos Saúde, menos Educação, menos Justiça, desde que tenham um pouco mais de dinheiro na carteira, ainda mesmo que à custa de um endividamento maior (quer em termos absolutos quer em % do PIB)? A malta quer é dinheiro. Diminuir o peso da dívida? Manter a qualidade dos serviços públicos? Ora, ora! A vida são três dias e o tuga quer é farra. Fazer um esforço durante uns anos para diminuir efectivamente a dívida, quer em termos absolutos quer relativos à riqueza que Portugal é capaz de produzir? Mas que é que isso interessa? Agora as férias estão aí e todo o dinheiro é pouco para gastar, gastar, gastar. O tuga quer é férias, um Mercedes ou um BMW e, se o dinheiro não chegar, não há problema em viver numa barraca. E o pior é que de há uns tempos para cá são as classes mais ricas que piores exemplos dão. Um país em decadência, é o que é.

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub