Economia Trump anuncia tarifas sobre painéis solares e máquinas de lavar importadas

Trump anuncia tarifas sobre painéis solares e máquinas de lavar importadas

As taxas anunciadas na véspera do encontro de Davos serão de 30% sobre os painéis solares e de 50% sobre as máquinas de lavar importadas. A China alega que as novas tarifas vão piorar as relações de comércio internacional.
Trump anuncia tarifas sobre painéis solares e máquinas de lavar importadas
Catarina Almeida Pereira 23 de janeiro de 2018 às 09:42

Donald Trump anunciou esta terça-feira uma tarifa de até 50% sobre painéis solares e máquinas de lavar importadas, naquele que está a ser considerado o primeiro grande passo proteccionista do presidente dos Estados Unidos.

As taxas serão de 30% no caso do equipamento solar produzido fora dos Estados Unidos, baixando gradualmente nos anos seguintes para 15%, e de 50% sobre as máquinas de lavar importadas, de acordo com a informação divulgada pela Bloomberg, que cita fontes oficiais.

O Governo português já reconheceu que a questão merece atenção.

Um dos analistas citado pela agência de notícias desvaloriza a decisão, anunciada quando Trump se prepara para viajar para Davos. Os investidores "estão habituados ao bluff the Trump". E "desde que a situação não se transforme numa guerra comercial de grande escala, o impacto nos mercados será limitado", afirma Qiu Zhicheng.

Para o economista-chefe da Bloomberg na Ásia, o anúncio feito na véspera de Davos é "surpreendente" mas ainda assim cai na categoria de "restrito". "A grande questão sobre tarifas americanas em 2018 é saber se as medidas vão ser restritas e dirigidas aa alguns sectores ou se vão ser suficientemente abrangentes para comprometer o crescimento global".

A tarifa sobre máquinas de lavar é uma "grande perda" para os trabalhadores e consumidores americanos, reagiu a Samsung Electronics.

O ministro do comércio sul-coreano, que considerou a decisão "excessiva" afirmou que o país vai entregar uma petição na Organização Mundial do Comércio fundamentada na imposição de direitos anti-dumping.

A China – que além de ser o maior produtor de painéis solares exportou mais de 21 milhões de máquinas de lavar entre Janeiro e Novembro – considerou que as medidas vão afectar o ambiente de comércio mundial e apelou à moderação de Trump.

Ainda assim, o resultado é considerado "melhor do que o esperado" pela maior produtora chinesa de painéis solares, a JunkoSolar. Os primeiros 2,5 gigawatts de células solares estão isentos de tarifas.




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 23.01.2018

... os americanos e europeus deviam fazer o mesmo que os chineses fazem?...eles taxam as importaçoes a 25% ...os américanos e europeus taxam aos produtos chineses a 5% ??? ... e mais na china é proibido um estrangeiro ser propriatàrio cà no Burgo é um festival com os vistos GOLD...

Júlio 23.01.2018

Não sou chinês, nem americano, estou-me nas tintas para o preço das máquinas de lavar.

Boa 23.01.2018

Cada vez mais isolados. Força Rússia o meu sonho está mais perto.

Anónimo 23.01.2018

E` bom que assim seja; todo o mundo em especial a Europa, andam a` mais de 70 anos a serem apoiados. e amamentados pela America, e ODEIAM-NA ; portanto acho que a teta deve secar!! Os EUA devem deixar de ser a < dumping ground > do mundo

ver mais comentários
pub