Educação Até 3.200 professores entram nos quadros apesar de falta de acordo entre sindicatos e Governo

Até 3.200 professores entram nos quadros apesar de falta de acordo entre sindicatos e Governo

Entre 3.000 e 3.200 professores vão entrar nos quadros, ao abrigo da vinculação extraordinária, número abaixo do universo de docentes elegíveis e das expectativas dos sindicatos, que não chegaram a acordo com o Ministério da Educação. 
Até 3.200 professores entram nos quadros apesar de falta de acordo entre sindicatos e Governo
Correio da Manhã
Lusa 20 de janeiro de 2017 às 23:16

Os números foram adiantados pelos sindicatos e confirmados pela secretária de Estado Adjunta e da Educação, Alexandra Leitão, no final da reunião de hoje, no Ministério da Educação (ME), tendo a governante confirmado que há cerca de dois mil candidatos elegíveis à vinculação extraordinária que ficam de fora da entrada nos quadros por não serem abertas vagas em número suficiente. 

 

Entre 3.000 e 3.200 docentes vão conseguir a vinculação, mas há quase 5.000 candidatos em condições de concorrer a essas vagas.

 

O número de vagas para a vinculação extraordinária foi definido tendo por base o número de contratados colocados neste ano lectivo num horário completo e anual, mas vão poder candidatar-se todos os professores que tenham cinco contratos nos últimos seis anos e pelo menos 12 anos de serviço.

 

Para a vinculação será aplicado o critério da graduação profissional, que tem em conta a média final de curso e o tempo de serviço de cada docente, mas serão quase dois mil professores com pelo menos 12 anos de serviço que não conseguem ainda aceder aos quadros.

 

Aos jornalistas, a secretária de Estado disse que usar o número de contratados este ano lectivo colocados em horários completos e anuais como critério de fixação de vagas "teve a ver com a necessidade de garantir as necessidades permanentes das escolas".

 

Inicialmente, este critério foi apresentado pelo ME como condição para poder concorrer a uma vaga na vinculação extraordinária, ou seja, para determinar o universo de candidatos, mas acabou por ser usado apenas para definir o número de vagas.

 

Mário Nogueira, secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), manifestou à saída da reunião com a tutela o seu descontentamento por não terem ficado garantidos novos momentos de vinculação nos próximos anos, tendo apenas ficado a promessa de incluir na acta final a promessa de que será avaliada a sua necessidade.

 

A reunião de hoje foi a última de um processo negocial que decorria desde início de Dezembro para definir não só a portaria da vinculação extraordinária, mas também a revisão do decreto-lei do regime de concursos de professores.

 

As duas principais federações da educação, Fenprof e Federação Nacional de Educação (FNE), disseram que não foram reunidas condições para dar o acordo à proposta da tutela para a revisão do regime de concursos.

 

Alexandra Leitão disse que "não há um acordo formal", mas considerou que este foi "um processo negocial bem sucedido", recusando que tenha havido recuos nas propostas do ME.

 

"A Fenprof não dá o seu acordo a esta proposta, porque ela não resolve o problema da precariedade", disse aos jornalistas Mário Nogueira, secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), à saída da reunião.

 

João Dias da Silva, secretário-geral da FNE, disse que "não foi possível encontrar um ponto de encontro" entre as exigências sindicais e a proposta do ministério.

 

A FNE discorda da manutenção da norma-travão, que agora passa a prever a entrada automática nos quadros para os professores com quatro contratos anuais, completos e sucessivos, ao invés dos cinco exigidos na versão inicial criada pelo ex-ministro Nuno Crato, e que é a que está em vigor.

 

Para a FNE deviam ser aplicadas aos professores as mesmas regras aplicadas na função pública, que preveem a entrada nos quadros ao fim de três contratos sucessivos.

 

Já a Fenprof disse que "não daria o seu acordo a uma norma que contraria uma directiva comunitária de transposição obrigatória" para a lei nacional.

 

De acordo com os sindicatos, são cerca de 190 os professores que vão vincular este ano ao abrigo da norma-travão, mas a secretária de Estado falou em centenas, sem especificar um número.

 

Os sindicatos, sobretudo a Fenprof, manifestaram ainda o seu desagrado, por ter sido apenas apresentada hoje uma proposta relativa aos professores dos colégios privados com contrato de associação "que nunca esteve em cima da mesa de negociação", segundo Mário Nogueira.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 21.01.2017

Porque professores? Não podem ser técnicos de outras áreas em que há falta? Investigadores? Porque professores? E se vierem com a cantilena do ensino público, apresentem-me as contas de quanto custa. Se é por causa do BE e do PCP, eles que paguem do seu orçamento.

Anónimo 21.01.2017

1500 para a gerigonca,1000 para a cantarina,500 para o canhoto e 200 para os esverdiados,nao se dezanguem como vem todos mamam.Afinal o ano e de eleicoes,e acreditar no anao subvencionista somos capazes de ter duas eleicoes.

pub
pub
pub
pub