Política Marcelo diz que "é uma hipótese" Portugal crescer 3,2% este ano

Marcelo diz que "é uma hipótese" Portugal crescer 3,2% este ano

Marcelo Rebelo de Sousa referiu hoje estes números à conversa com deputados croatas, em Zagreb, a propósito da evolução da situação económica e financeira em Portugal, num momento de recolha de imagens, captado pela RTP.
Marcelo diz que "é uma hipótese" Portugal crescer 3,2% este ano
Negócios 18 de maio de 2017 às 18:58

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou hoje que "é uma hipótese que não está afastada" Portugal conseguir este ano um crescimento económico à volta de 3,2% e um défice de 1,4%.

 

Marcelo Rebelo de Sousa referiu hoje estes números à conversa com deputados croatas, em Zagreb, a propósito da evolução da situação económica e financeira em Portugal, num momento de recolha de imagens, captado pela RTP.

  

Mais tarde, questionado pela RTP sobre onde foi buscar aqueles dois dados, o Presidente da República respondeu: "Eu disse que é uma hipótese que não está afastada o poder haver uma evolução positiva da economia, se ela vier de trás, que aponte para a confirmação destes números".

 

Marcelo Rebelo de Sousa disse que nunca divulgou estes dados "porque ninguém pode revelar uma realidade que não existe", e acrescentou: "Eu digo que é um dos cenários possíveis, um défice mais baixo e um crescimento mais alto".

Segundo o Presidente da República, o crescimento de 3,2% foi um de "vários cenários" de que falou na conversa que teve hoje com os deputados croatas.

 

Esta conversa aconteceu à chegada do chefe de Estado à residência do presidente do parlamento da Croácia, onde teve um almoço fechado à comunicação social, mas em que nos momentos iniciais os repórteres de imagem puderam estar presentes.

 

Marcelo Rebelo de Sousa foi depois questionado sobre este assunto, no final da inauguração de uma exposição de azulejos portugueses, em que também esteve a Presidente da Croácia, Kolinda Grabar-Kitarovi.

 

Interrogado sobre a legislação que está a ser preparada para permitir o acesso dos serviços de informações a metadados de comunicações, o Presidente nada quis dizer. "Eu não comento cá fora leis que, ainda por cima, não foram aprovadas, estão no parlamento para aprovação", justificou.

 

Quanto a uma eventual sua iniciativa para distinguir o vencedor do festival da Eurovisão, Salvador Sobral, que interpretou a canção "Amar pelos dois", composta por Luísa Sobral, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu: "Veremos na altura devida".

 

O Presidente da República chegou na quarta-feira à noite à capital croata, para uma vista de Estado de dois dias, entre hoje e sexta-feira, a este país dos Balcãs, que é o mais recente membro da União Europeia, à qual aderiu em 2013.

 

Acompanham-no nesta visita a secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Margarida Marques, o presidente da Agência para o Investimento e o Comércio Externo de Portugal (AICEP), Luís Castro Henriques, e os deputados Sérgio Azevedo, do PSD, Porfírio Silva, do PS, Pedro Mota Soares, do CDS-PP, e Paulo Sá, do PCP.

 


A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado IS Há 5 dias

O Prof Marcelo Rebelo de Sousa com estas afirmações revela somente que acredita dado que não é especialista na área.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 dias

Em comparação com Marcelo e o seu governo das esquerdas unidas, Obama foi um fanático ultra neoliberal: "Job shifts under Obama: Fewer government workers, more caregivers, servers and temps" www.pewresearch.org/fact-tank/2015/01/14/job-shifts-under-obama-fewer-government-workers-more-caregivers-servers-and-temps/

Anónimo Há 2 dias

Em Detroit, Vallejo e outros municípios dos EUA a falência originou cortes nas pensões de reforma e despedimentos de excedentários... Em Porto Rico vai pelo mesmo caminho. Grécia e Portugal são os senhores (drs) que se seguem. A verdade vem sempre ao de cima. Não vale a pena tentar tapar o sol com uma peneira. Resta saber por mais quanto tempo os agentes económicos sérios, honrados e inocentes irão continuar a ser extorquidos e pilhados pela casta dos prevaricadores.

IS Há 5 dias

O Prof Marcelo Rebelo de Sousa com estas afirmações revela somente que acredita dado que não é especialista na área.

Ze nabo Há 1 semana

Ui, tantaaaa azia, vao assistir da oposicao durante uns anos valentes....rennie e compensan ajudam...lolol

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub