Presidenciais  Marcelo Rebelo de Sousa eleito Presidente da República

Marcelo Rebelo de Sousa eleito Presidente da República

Está eleito o novo Presidente da República. Marcelo Rebelo de Sousa é o novo inquilino do Palácio de Belém com uma vitória em todos os distritos, acontecimento inédito numa primeira volta. Tomará posse a 9 de Março.
 Marcelo Rebelo de Sousa eleito Presidente da República
Pedro Elias
Negócios 24 de janeiro de 2016 às 22:15

Maria de Belém foi a primeira a felicitar Marcelo Rebelo de Sousa e a assumir-se como vencida. António Sampaio da Nóvoa, que ficou em segundo lugar, foi o último a assumir a derrota. Como mandam as regras. Marcelo Rebelo de Sousa será o novo Presidente da República Portuguesa. Será o nono Presidente eleito desde o 25 de Abril de 1974 e a quinta personalidade a assumir o cargo.

 

O novo Presidente da República alcançou 52% dos votos vencendo em todos os distritos, algo que nunca nenhum candidato conseguiu à primeira eleição. Tanto Mário Soares como Cavaco Silva conseguiram o pleno em todos os distritos, mas foi na eleição para o seu segundo mandato.

 

Em Beja, onde raramente a direita consegue ganhar, o antigo comentador só ultrapassou Sampaio da Nóvoa por 141 votos. Aí, Marcelo obteve 31,71% dos votos contra 31,47% de Nóvoa. Também em Évora, distrito de forte implantação da esquerda, em particular do PCP, o ex-comentador político alcançou 38% dos votos, a uma distância de oito pontos do seu principal rival. No distrito mais a Sul do Continente, a vitória de Marcelo foi esmagadora, tendo 47,6% dos votos, o dobro de Sampaio da Nóvoa.

António Sampaio da Nóvoa, que obteve 22,89% dos votos, felicitando Marcelo Rebelo de Sousa disse: "A partir de agora, Marcelo Rebelo de Sousa é o meu Presidente. Quero contribuir para a união, sem hesitações, sem reticências, com uma profunda convicção democrática".

Marcelo Rebelo de Sousa venceu as eleições presidenciais deste domingo, 24 de Janeiro, com 52% dos votos, ficando frente em todos os distritos do país. Com 
todas as freguesias apuradas, e apesar da vitória incontestada, Marcelo alcançou o terceiro pior resultado eleitoral de um vencedor à primeira volta em presidenciais. Menos só Cavaco Silva em 2006 (50,54%) e Freitas do Amaral em 1986 (46,31%).


No discurso de vitória, no hall da Faculdade de Direito, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que quer "fomentar a unidade nacional", não olhando a esforços para "unir aquilo que as conjunturas dividam e estreitando a relação entre todos" porque "quanto mais coesos formos mais fortes seremos". Como segunda meta, o professor pretende "reforçar a coesão social, pessoal e territorial por imperativo da Constituição e por convicção pessoal". Marcelo promete ser "politicamente imparcial", mas assevera que "não deixarei de ser socialmente actuante".


Em terceiro lugar, o vencedor da noite quer "promover convergências políticas" que permitam colmatar a cultura de compromisso e de consenso que se perdeu nos últimos anos. Como quarta tarefa Marcelo estabelece a necessidade de "incentivar o frutuoso relacionamento entre órgãos de soberania e os agentes políticos, económicos e sociais". Por último, o futuro Presidente define como desafio "conciliar a justiça social com o crescimento económico e a estabilidade financeira". 


 

Pedro Elias Pedro Elias Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Pedro Elias Pedro Elias Pedro Elias Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Pedro Elias Miguel Baltazar Miguel Baltazar

(Notícia actualizada às 00:55 de 25 de Janeiro)




pub