Banca & Finanças CGD vende Vale do Lobo com desconto de um terço
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

CGD vende Vale do Lobo com desconto de um terço

A Caixa Geral de Depósitos alienou, por 222,9 milhões de euros, os créditos sobre Vale do Lobo. O BCP e Novo Banco também. O comprador é um fundo gerido pela ECS, mas detido pelos bancos, que ficará com a missão de recuperar o activo.
CGD vende Vale do Lobo com desconto de um terço
Correio da Manhã

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) desfez-se de um dos créditos mais problemáticos e de um dos casos de polícia em que se viu envolvida. Por 222,9 milhões de euros, vendeu a um fundo, gerido pela ECS, os créditos )

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Não basta que a mulher de César seja honesta… 05.01.2018

Pode ter sido um excelente negócio a venda com 30% de desconto;
Pode não haver nada de censurável a referida venda a um fundo propriedade do multimilionário anterior presidente (PS) da CGD, e antes governador(PSD) do BP;
Pode ser uma aparentemente lógica medida a CGD ir “misturar alhos com bugalhos”, fundindo as gestoras de fundos imobiliários e mobiliários, e não dando assim oportunidade a uma Fundger que vai ser extinta, de tentar desenvolver Vale de Lobos, numa altura de explosão do imobiliário turístico;
Pode assim ser que as intenções não deixem de ser as melhores, e que de facto a "mulher de César" seja imaculadamente honesta;
Mas a CGD é um banco público, de que todos os Portugueses como Cidadãos-Contribuintes, são acionistas “de jure”, e, por tal, não deixam de ter direito a serem informados.
Isto de tal forma que fiquem convictos que a "mulher de César" é o que se deseja :
Irrepreensivelmente honesta e animada das melhores intenções de contribuir para o interesse público.

comentários mais recentes
Onde anda o vara>? Há 3 semanas

Depois aumentam as comissões na manutenção das contas! Corja de larápios!
Não tenham dúvidas com a Abrilona fomos de cona!

É espantoso, senhores !!! 06.01.2018

O Jornal de Negócios terá sido o primeiro a dar a notícia.
O Expresso de hoje, na página 3 do suplemento de economia, em artigo da autoria de João Vieira Pereira (Burro Velho…), fornece pormenores que só me justificam um comentário:
É espantoso, senhores !!!

saraiva14 05.01.2018

O Armando Vara e o José Sócrates vão repôr o desvio, para que não haja prejuízos para os contribuintes!

Não basta que a mulher de César seja honesta… 05.01.2018

Pode ter sido um excelente negócio a venda com 30% de desconto;
Pode não haver nada de censurável a referida venda a um fundo propriedade do multimilionário anterior presidente (PS) da CGD, e antes governador(PSD) do BP;
Pode ser uma aparentemente lógica medida a CGD ir “misturar alhos com bugalhos”, fundindo as gestoras de fundos imobiliários e mobiliários, e não dando assim oportunidade a uma Fundger que vai ser extinta, de tentar desenvolver Vale de Lobos, numa altura de explosão do imobiliário turístico;
Pode assim ser que as intenções não deixem de ser as melhores, e que de facto a "mulher de César" seja imaculadamente honesta;
Mas a CGD é um banco público, de que todos os Portugueses como Cidadãos-Contribuintes, são acionistas “de jure”, e, por tal, não deixam de ter direito a serem informados.
Isto de tal forma que fiquem convictos que a "mulher de César" é o que se deseja :
Irrepreensivelmente honesta e animada das melhores intenções de contribuir para o interesse público.

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
Saber mais e Alertas
pub