Empresas Corticeira Amorim nos relvados do Real Madrid e do Arsenal

Corticeira Amorim nos relvados do Real Madrid e do Arsenal

Uma nova solução da Corticeira Amorim para relvados naturais, que tinha sido já incorporada em quatro estádios do Euro 2016, em França, foi também aplicada nos principais campos de treinos do espanhol Real Madrid e do britânico Arsenal.
Corticeira Amorim nos relvados do Real Madrid e do Arsenal
Reuters
Rui Neves 06 de Dezembro de 2016 às 18:37

Depois de ter marcado presença em quatro estádios do Euro 2016, em França, a Corticeira Amorim soma e segue na venda da sua nova solução para relvados naturais. "Também já aplicámos esta solução no Real Madrid, no Arsenal e num estádio da Rússia", revelou o presidente da empresa, António Rios Amorim, durante a sua intervenção na Conferência da associação do sector da cortiça (Apcor), realizada hoje, 6 de Dezembro, no Terminal de Cruzeiros de Leixões.

 

Ao Negócios, o gestor adiantou que esta nova solução, desenvolvida em parceria com a Natural Grass, foi aplicada nos principais campos de treinos do Real Madrid e do Arsenal, mas não identificou o caso russo.

Desenvolvida pela Amorim Isolamentos, a tecnologia AirFibr incorpora cortiça, relva natural e microfibras sintéticas, "resultando num relvado mais resistente" e que "reduz o impacto da queda dos jogadores em cerca de 40%", garantiu António Rios Amorim.

 

De acordo com a líder mundial do sector da cortiça, "o granulado de cortiça expandida usado na solução confere-lhe uma maior absorção ao choque, fazendo com que o contacto do jogador com o solo seja minimizado, uma inovação que resulta de um cálculo científico, possibilitado por uma instalação automatizada que absorve a energia e força exercidas pelos atletas no solo, adaptando o relvado às necessidades do desporto profissional".

 

Ainda segundo a Corticeira Amorim, "graças à baixa condutividade térmica da cortiça, este é um material com uma notável capacidade de isolamento, o que aumenta a resistência dos relvados aos choques térmicos".

 

Face a sistemas de relvados mais tradicionais, a tecnologia AirFibr "tem como principais vantagens a preservação da relva e a elevada durabilidade, mesmo nos períodos sujeitos a grandes índices de pluviosidade", afiança ainda a empresa liderado por António Rios Amorim.

 

Esta solução foi usada em quatro estádios do Euro 2016, nomeadamente o Parc Olympique Lyonnais, em Lyon, o Stadium Municipal de Toulouse, o Estádio Geffroy Guinch, em Saint-Etienne - o palco do jogo de estreia da selecção nacional portuguesa contra a Islândia - e o Noveau Stade, em Bordéus, o cenário da vitória da Portugal frente ao País de Gales.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Victor Lopes Há 1 semana

Excelente!

Anónimo Há 1 semana

Parece-me ser noticias de fim de ano que nos deve alegrar,e nao a trapalhada gerigoncal.A corticeira poe o chao,e a gerigonca os tectos FALSOS como eles.

pub
pub
pub
pub