Empresas Grupo CIMA/Inspecentro diz que Justiça considerou “ilegais” deliberações do IMT

Grupo CIMA/Inspecentro diz que Justiça considerou “ilegais” deliberações do IMT

Em comunicado, o grupo CIMA e Inspecentro avançam que o “Tribunal Central Administrativo do Norte e o Tribunal Central Administrativo do Sul considerou ilegais as deliberações” do IMT, relativas ao fecho de centros de inspecção automóvel de Ponte de Lima, Oliveira do Bairro e Seia.
Grupo CIMA/Inspecentro diz que Justiça considerou “ilegais” deliberações do IMT
Bruno Simão/Negócios
Negócios 01 de setembro de 2017 às 13:02

O grupo CIMA - Centro De Inspecção Mecânica em Automóveis - e a Inspecentro, na esfera do Grupo TAVFER, em comunicado, revelam que o "Tribunal Central Administrativo do Norte e o Tribunal Central Administrativo do Sul considerou ilegais as deliberações do Instituto de Mobilidade e Transportes e do seu Conselho Directivo que decidiu o encerramento dos centros de Inspecção automóvel de Ponte de Lima, Oliveira do Bairro e Seia".

No caso do centro de inspecção em Seia, as decisões tomadas pelo Instituto de Mobilidade e Transportes (IMT) são relativas a 13 de Outubro do ano passado. E a 2 de Novembro de 2016 no que diz respeito aos centros de Oliveira do Bairro e Ponte de Lima.


"A decisão do Tribunal de Central Administrativo do Norte referente ao centro de inspecção de Oliveira do Bairro é de 09 de Junho de 2017. O IMT não recorreu. A decisão do Tribunal Central Administrativo do Sul referente ao centro de inspecção de Ponte de Lima é de 10 de Agosto de 2017. A decisão do Tribunal Central Administrativo do Sul referente ao centro de inspecção de Seia é de 22 de Agosto de 2017", pode ler-se ainda no documento.  


Tanto o grupo CIMA como a Inspecentro já pediram ao IMT que "reponha de imediato a legalidade" de forma que os centros de Ponte de Lima e de Oliveira do Bairro possam voltar a fazer inspecções automóveis.

No comunicado é ainda referido que "o grupo CIMA e Inspecentro já intentou uma queixa-crime contra o IMT e alguns dos seus responsáveis".


Entretanto, uma fonte do sector garante que o centro de inspecções de Oliveira do Baixo nunca chegou a encerrar dado que o tribunal deu razão à CIMA e a Inspecentro no âmbito das providencias cautelares e recursos apresentados.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Existe um grande oportunismo e uma grande exploração nas inspeções de viaturas. Sabem e vêm, e viram a cabeça para o lado. Algumas viaturas saiem de lá pior de quando entram. Alguns chamados inspetores rebentam com os veículos. A partir de 8 anos de idade a viatura de 2 em 2 anos é o suficiente.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub