Empresas Lisboa relança concurso de 29 milhões para rede de bicicletas partilhadas

Lisboa relança concurso de 29 milhões para rede de bicicletas partilhadas

Os interessados têm até dia 15 de Março para responder ao concurso. O passe anual para andar de bicicleta vai custar 36 euros e o sistema deverá estar operacional no segundo trimestre de 2017.
Lisboa relança concurso de 29 milhões para rede de bicicletas partilhadas
André Cabrita-Mendes 09 de Março de 2016 às 14:14
A Empresa de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) lançou um novo concurso para o sistema de bicicletas partilhadas. Após a anulação do primeiro concurso devido ao incumprimento de formalidades pelos concorrentes, a empresa pública relança o concurso no valor de 28,9 milhões de euros. Os interessados têm agora de enviar uma proposta até às 17:00 do dia 15 de Abril.

Em relação ao critério de adjudicação, a EMEL sublinha que a "proposta economicamente mais vantajosa" vai ser a eleita. O preço vale assim 50%, a experiência de utilização da bicicleta vale 30%, os componentes funcionais da bicicleta valem 10%, enquanto a imagem gráfica da rede vale 10%.

O primeiro concurso para comprar e gerir 1.410 bicicletas na cidade de Lisboa foi lançado nos mesmos moldes pela EMEL em Outubro. O procedimento prevê a contratação de uma empresa para fornecer as bicicletas e gerir o Sistema de Bicicletas Públicas Partilhadas (SBPP) durante oito anos.

Mas o procedimento foi anulado porque nenhuma das 10 propostas cumpria todas as formalidades, como traduzir documentos para português, algo que é obrigatório e é motivo de exclusão. Na altura, a média das propostas ficou situada nos 24,4 milhões, menos 4,5 milhões face aos 28,9 milhões máximos previstos no concurso.

A EMEL prevê que o sistema venha a estar completamente operacional na Primavera de 2017, como avançou recentemente o administrador da empresa pública, João Dias, ao Negócios. Em relação ao preço, um bilhete diário vai custar 10 euros, enquanto um passe anual deverá rondar os 36 euros, o preço de um passe Navegante mensal.

No total, vão existir 140 estações com 1.410 bicicletas na cidade de Lisboa. As estações estarão divididas por quatro zonas: Planalto Central (com 92 estações); Parque das Nações (15 estações); Eixo Central (6 estações); Baixa e frente ribeirinha (27 estações).



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
rcd 09.03.2016

e que tal retirar vias e atribuir exclusivamente a bicicletas ? o comum do labrego portuga não tem educação para ter ciclistas na estrada junto com carros.
quer é mostrar o bmw novo, não consegue ultrapassar o trauma, é sempre será um bimbo exibicionista patético

Desanimado 09.03.2016

Excelente ideia, apesar de Lisboa não ser uma cidade que se preste muito para andar de bicicleta. Uma obra de louvar seria a construção de elevadores para bicicletas para as zonas altas da cidade à semelhança do sky que permitisse circular por toda a cidade sem constrangimentos. Isso sim seria uma obra de louvar.

Camponio da beira 09.03.2016

hã? 20 mil euros por bicicleta?

Miquinhas 09.03.2016

Diz que andar muito de bicicleta provoca impotência e enfraquecimento do esfíncter anal.

pub
pub
pub
pub