Empresas Montepio “afunda” La Gondola na Avenida de Berna

Montepio “afunda” La Gondola na Avenida de Berna

O edifício que acolhe o emblemático restaurante desde 1943, com encerramento marcado para 6 de Agosto, vai ser demolido para aí ser construída a nova sede do Montepio. Uma operação que resulta de uma permuta de terrenos entre a Câmara de Lisboa e a instituição financeira.
Montepio “afunda” La Gondola na Avenida de Berna
O restaurante La Gondola fecha a 6 de Agosto. Vai ser demolido para dar lugar à nova sede do Montepio.
Rui Neves 29 de julho de 2017 às 15:58

 

Construído por júlio Salustiano Rodrigues, em 1928, tendo sido propriedade do médico e arqueólogo Fernando António de Almeida e Silva Saldanha, desde 1939 que a sombra da demolição pairava sobre o edifício que alberga o restaurante La Gondola, na Avenida de Berna, junto à Praça de Espanha, em Lisboa.

 

Naquele ano, enquanto no miolo da Europa tinha início a II Guerra Mundial, a Câmara da capital portuguesa decidiu adquirir aquele imóvel, como alternativa à expropriação, com vista à sua demolição, no âmbito da execução de um plano urbanístico para a zona da Praça de Espanha.

 

Mas o plano de reformulação urbanística daquela área nunca avançou. Resultado: em vez de ser demolido, o edifício foi arrendado para a instalação de um restaurante, o La Gondola, que aí funciona desde 1943.

 

6 de Agosto de 2017: um ano antes de poder comemorar as bodas de diamante, o La Gondola está em contagem decrescente para os seus últimos oito dias de existência. É que, para avançar com a renovação urbanística da zona, a autarquia lisboeta fez uma permuta de terrenos com o Montepio Geral, que vai demolir o restaurante para aí construir a sua nova sede.

 

O projecto para a demolição decorre assim desta permuta entre as duas entidades, aprovada em Dezembro de 2014 pela Câmara de Lisboa, com o Montepio e a sua seguradora Lusitânia a ficarem com terrenos de mais de 6,2 mil metros quadrados, incluindo o espaço em que está implantado o imóvel que alberga o La Gondola, para aí construírem novos edifícios.

 

Em troca, a autarquia ficou com os terrenos onde funcionou, até Setembro de 2015, o Mercado da Praça de Espanha.

 

"Não é vontade nossa, gostaríamos de ficar. Estamos aqui há décadas, é um espaço irrepetível. Resistimos o que pudemos e soubemos, mas não temos força nem capacidade de argumentar com a força da Câmara e do Montepio", lamentou Júlia Ribeiro, gerente do La Gondola, em declarações ao Diário de Notícias. "Saímos com mágoa, mas temos o compromisso de fechar", rematou a gestora do restaurante.

 

Entretanto, uma petição lançada pelo auto-denominado movimento "Vizinhos das Avenidas Novas", que conta já com mais de 800 assinaturas, defende que a demolição do La Gondola "não seja autorizada até que seja avaliada a sua classificação como Imóvel de Interesse Municipal" e "a sua candidatura ao ‘Programa Lojas com História’".

 

Intitulada "Contra a demolição do edifício restaurante Gondola e salvar a identidade das Avenidas Novas", a petição considera que este imóvel "tem hoje um valor adicional de memória urbana, cujo apagamento não devia passar sem discussão e análise técnica e de relevância para a freguesia de Avenidas Novas, uma vez que é contemporânea dos inícios dos planos de urbanização da área".




A sua opinião17
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado gatogato Há 3 semanas

Demolir o edifício para servir de sede de um banco em vias de extinção? Maçonaria pode tudo (ou com f também pode).

comentários mais recentes
pertinaz Há 1 semana

QUEM ANDA A PAGAR ESTAS NOTÍCIAS...???

Anónimo Há 2 semanas

Dá-me vontade de rir sobre um restaurante onde ía ou vão os ricos e aqueles com manias de ricos que passavam as facturas chorudas em nome das multinacionais ou bancos, agora muitos opõem-se à demolição? ninguém percebe esta gente.
Porque motivo não faz a sede num edificio d algum client caloteiro?

É , ENQUADRA-SE MELHOR Há 2 semanas

SIM, É MAIS UM MAMARRACHO QUE SE VAI "EMQUADRAR" MELHOR NA "ARQUITETURA DA PRAÇA DE ESPANHA, SOBRETUDO COM A ARQUITETURA DA EMBAIXADA DE ESPANHA , pelo menos é o que sustenta o "arquiteto" Salgado

Dezembro 2014 Há 2 semanas

Em Dezembro de 2014 quem era o presidente da CML ? seria o atual PM ? Sim o "Costa"? só pode ! há que estar de "saida" para fazer "CAMBALACHOS" como este com um banco falido . CLARO QUE OS PROJETOS DE ARQUITETURA ESTÃO TODOS APROVADOS Á PRIORI

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub