Empresas Nestlé cria mais de mil empregos em Carcavelos com centro de serviços partilhados

Nestlé cria mais de mil empregos em Carcavelos com centro de serviços partilhados

Além de escritórios, onde deverá ficar o centro da Nestlé, o novo projecto terá residências universitárias, comércio, restauração, serviços e um pavilhão gimnodesportivo.
Nestlé cria mais de mil empregos em Carcavelos com centro de serviços partilhados
Pedro Catarino/Correio da Manhã
Negócios 23 de setembro de 2017 às 13:02

O presidenta da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, vai anunciar um projecto de reestruturação imobiliária na Quinta da Alagoa, que prevê um investimento de 50 milhões de euros e a criação de 2.500 postos de trabalho.

 

Segundo o Expresso, que avançou com a notícia, cerca de metade destes novos empregos serão criados pela Nestlé, que irá localizar neste espaço em Carcavelos um novo centro de serviços partilhados para a Europa Ocidental.

 

Este projecto da multinacional suíça prevê a criação de 600 empregos numa primeira fase, mais 600 numa segunda. O centro da Nestlé ocupará uma parte da área de 16,8 mil metros quadrados na Quinta da Alagoa, que serão para escritórios.   

 

O projecto de reestruturação da Quinta da Alagoa prevê a transferência da fábrica da Legrand para outra zona da região de Cascais. Este projecto será promovido pela Telhabel, uma construtor de Famalicão. Além de escritórios, terá residências universitárias, comércio, restauração, serviços e um pavilhão gimnodesportivo.

 

O investimento da Nestlé, que encerrou um centro em Nice, é efectuado em parceria com o novo polo da Universidade Nova, que também irá abrir em Carcavelos.

 

Em declarações aos Expresso, fonte da Nestlé diz que as negociações estão bem encaminhadas para a instalação do novo centro, que irá "prestar serviços end to end", beneficiando com a deslocação de serviços que são actualmente efectuados em Londres. "Ambicionamos ocupar um edifício e um piso de um segundo edificio" na Quinta da Alagoa, acrescentou a fonte, assinalando que "ainda não há qualquer contrato assinado".  

 




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG 24.09.2017

Se tivéssemos um Governo de gente competente e responsável já haveria um plano estratégico nacional que teria como eixo central a deslocação de actividades económicas e de projectos de grande dimensão que arrastam atividades mais para o interior do país. Nessa linha de orinetação estratégica, devia haver uma política tendente a apoiar a cidades do eixo interior, desde Mirandela até Loulé, a ganhar massa crítica (que tem de ser em simultâneo economia e pessoas) para começaram a atrair gente da faixa litoral. Há razões nacionais (assimetrias e congestionamento da faixa costeira) e razões de ordem um pouco mais planetária como o aquecimento do clima e a subida dos oceanos, catástrofes associadas, e enorme exposição a sismos da zona de Lisboa. E no interior há zonas com elevado potencial. E algumas já com infraestruturas realizadas ou em potencial, especialmente em matéria de comunicações e ligação aos países da Europa, de grande qualidade ou com projectos já em curso.

comentários mais recentes
pertinaz 24.09.2017

SALÁRIO MÍNIMO EM BARDA...!!!

JCG 24.09.2017

Se tivéssemos um Governo de gente competente e responsável já haveria um plano estratégico nacional que teria como eixo central a deslocação de actividades económicas e de projectos de grande dimensão que arrastam atividades mais para o interior do país. Nessa linha de orinetação estratégica, devia haver uma política tendente a apoiar a cidades do eixo interior, desde Mirandela até Loulé, a ganhar massa crítica (que tem de ser em simultâneo economia e pessoas) para começaram a atrair gente da faixa litoral. Há razões nacionais (assimetrias e congestionamento da faixa costeira) e razões de ordem um pouco mais planetária como o aquecimento do clima e a subida dos oceanos, catástrofes associadas, e enorme exposição a sismos da zona de Lisboa. E no interior há zonas com elevado potencial. E algumas já com infraestruturas realizadas ou em potencial, especialmente em matéria de comunicações e ligação aos países da Europa, de grande qualidade ou com projectos já em curso.

ZE 24.09.2017

Não consigo vislumbrar tal investimento , espero estar errado . Ou será um call center de apoio ao cliente , com salários medíocres ??

Anónimo 23.09.2017

Lê-se o último parágrafo e não se percebe o título. Cria? Mas nem sequer há nenhum contrato assinado! Francamente!

ver mais comentários