Empresas L'Oréal preparada para comprar os 23% da Nestlé na empresa de cosméticos

L'Oréal preparada para comprar os 23% da Nestlé na empresa de cosméticos

O presidente executivo da empresa francesa diz que tem dinheiro suficiente para comprar a posição detida pela companhia suíça avaliada em 23 mil milhões de euros.
L'Oréal preparada para comprar os 23% da Nestlé na empresa de cosméticos
Bloomberg
Negócios 09 de fevereiro de 2018 às 09:16
A L'Oréal está preparada para comprar a fatia de 23% que a Nestlé detém na companhia de cosméticos. A Nestlé está presente no capital da L'Oréal há mais de 40 anos e a sua actual participação está avaliada em 22.600 milhões de euros.

"Temos todos os recursos para isso. Temos muito dinheiro, temos a fatia da Sanofi, somos financeiramente muito sólidos e temos o que é preciso para fazer qualquer coisa", disse o presidente executivo da L'Oréal em entrevista ao Financial Times desta sexta-feira, 9 de Fevereiro.

A companhia francesa detém 9% da farmacêutica Sanofi, uma participação avaliada em 7.600 milhões de euros. A própria L'Oréal tem disponíveis 1.870 milhões de euros nos seus cofres, tendo registado uma subida dos lucros de 15,3% para 3.580 milhões de euros em 2017.

O crescimento dos lucros da L'Oréal deveu-se ao aumento das vendas das suas marcas de luxo como Lancôme, YSL e Giorgio Armani. Por regiões, a Ásia regista um forte crescimento.

"Os consumidores chineses por todo o lado são uma grande parte do mercado de luxo. Chineses na China, chineses em Hong Kong, chineses no Japão, mas também chineses na Europa", disse o presidente da L'Oréal.

Já na América do Norte as vendas cresceram 1,7%, enquanto na Europa Ocidental subiram 2,6%. As vendas através da internet cresceram um terço para atingir um total de 2.000 milhões de euros, com a China a destacar-se como o principal mercado online.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
Saber mais e Alertas
pub