Empresas Patrão dos patrões despediu e também aderiu ao PER

Patrão dos patrões despediu e também aderiu ao PER

A Metalúrgica Luso-Italiana, de António Saraiva, presidente da CIP, recorreu ao PER. Promoveu um despedimento colectivo, vai vender as instalações fabris em Arruda dos Vinhos e promete pagar o que deve em 10 anos.
Patrão dos patrões despediu e também aderiu ao PER
Miguel Baltazar
Rui Neves 23 de Novembro de 2016 às 22:00
Até o patrão dos patrões portugueses. A profunda crise que abalou o sector imobiliário português, e que se reflectiu nas empresas de comércio de materiais de construção, deixou a indústria do presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, à beira da falência.

"Apesar dos continuados esforços na redução de encargos", a Metalúrgica Luso-Italiana, que fabrica torneiras da marca Zenite,  registava "sistematicamente" resultados negativos. Só entre 2011 e 2014, a empresa acumulou prejuízos de 1,4 milhões de euros, para uma facturação da ordem dos 1,6 milhões de euros anuais.

No final do ano passado, lê-se no seu Processo Especial de Revitalização (PER), "o nível de endividamento atingido e a inexistência de activos desonerados priva a empresa de recorrer a novos financiamentos", retirando-lhe assim "a possibilidade de manter uma política de ‘stocks’ que lhe proporcione alguma vantagem competitiva". Por outro lado, "a exigência dos fornecedores no recebimento contra entrega ou antecipadamente torna-se cada vez mais comum", pelo que "a premente exigibilidade do reembolso dos financiamentos limitará em definitivo a tesouraria".

Saraiva promoveu então um despedimento colectivo, que "envolveu cinco pessoas" – adiantou o empresário ao Negócios. E recorreu ao PER. A adesão da Luso-Italiana a este instrumento alternativo à insolvência  visou "tentar solver e dar continuidade à empresa", realçou o seu accionista único.

A Luso-Italiana apresentou-se ao PER com créditos reclamados de 4,1 milhões de euros de 21 entidades, com o BPI à cabeça (1,33 milhões de euros), seguindo-se a sociedade de garantia mútua Lisgarante   (922 mil euros) e a CGD (687 mil euros), destacando-se ainda o crédito de 341 euros do sindicato do sector.

Mas houve 69 credores que não reclamaram os seus créditos, num total de 898 mil euros, entre os quais o próprio dono da empresa  (573 mil euros) e a Associação Industrial Portuguesa (AIP), que tinha a haver 1.331 euros.

De acordo com o processo de recuperação da Luso-Italiana, aprovado pelos credores e homologado pelo tribunal,  a empresa compromete-se a amortizar os créditos comuns e os garantidos em 120 prestações mensais, com um período de carência de capital de entre um (garantidos) e dois anos (comuns). Já os créditos de 103 mil euros resultantes do processo de despedimento colectivo, serão "liquidados mensalmente até 31 de Janeiro de 2019".

Actualmente "com cerca de 20 pessoas" a trabalhar na empresa, em Arruda  dos Vinhos, António Saraiva  nada garante sobre a permanência deste efectivo: "Não sei, não adivinho o que é que o mercado nos vai obrigar", rematou.

Vender os activos e ir para Lisboa 

O PER da Metalúrgica Luso-Italiana determina a alienação das actuais instalações fabris da empresa, em Arruda dos Vinhos, que foram adquiridas em regime de "leasing" imobiliário. "Estamos à procura de alternativas na zona de Lisboa. É um processo de deslocalização que se terá de fazer", enfatizou António Saraiva. A empresa detém também dois apartamentos, situados em Santarém e em Buarcos. Foi em 1987 que Saraiva entrou na Luso-Italiana, como director comercial, a convite do grupo Mello. Acabou por comprar a empresa, em 1996, quando corporizou um MBO. Chegou a empregar 41 pessoas e a facturar 6,5 milhões de euros. 




A sua opinião33
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Gatunos Há 1 semana

Um bom exemplo de como esta escumalha de patrões vivem ha custa de dar o calote e não pagar aos fornecedores.
Sou patrão e ha 26 anos sucessivos que pago a pronto pagamento aos meus fornecedores e não preciso de PERs ou massa do banco para pagar os impostos e salários, mas não tenho curriculum para ser o chefe dos patrões incompetentes, imbecis e gatunos que puseram Portugal na bancarrota.

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

O problema maior da economia Portuguesa é a pouca qualidade dos gestores. Basta ver o que aconteceu na restauração... grande parte deles reformaram-se e hoje temos uma restauração de nível Europeu gerida por novos gestores com qualificações.

Anónimo Há 1 semana

Todos os empresarios que têm uma empresa em situacao dificil deviam ler os comentarios que estas bestas escrevem aqui nos comentarios. A decisao deles assim ficava muito mais facil. Fachavam logo em vez de ficaram a acumular prejuizos e os trabalhadores iam para o desemprego logo

Anónimo Há 1 semana

Em alguma coisa havia de estar de acordo com O Carlos Costa-B. de Portugal, o problema da Economia Portuguesa, são GESTORES.
Tambem sou patrão á vinte e cinco anos, e nunca tive problemas, porque a minha preocupação é a empresa e os empregados, e não os BMW, AUDI e MERCEDES, e isso faz a diferença

jose Há 1 semana

o Saraiva é um gatuno como os outros: O Saraiva não criou empresa nenhuma, ele era empregado que ficou com a empresa! Onde ganhou os 600.000€ que diz ter gasto?não foi fortuna de familia! Factura 1,6 milhões € e deve 4,1 Milhões € sem ter dado garantias à banca! é um patrão comuna = LADRÃO

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub