Empresas Quebramar falida nas mãos do Novo Banco

Quebramar falida nas mãos do Novo Banco

O destino da cadeia de vestuário Quebramar vai ser decidido pelo Novo Banco, accionista e detentor de 83% dos 30,2 milhões de euros de créditos reconhecidos sobre a empresa. A marca do grupo Lanidor deve 409 mil euros à Segurança Social e 251 mil ao fisco.
Quebramar falida nas mãos do Novo Banco
Só nos últimos dois anos, a Terra Mítica, empresa dona da Quebramar, acumulou prejuízos de três milhões de euros.
Sofia A. Henriques
Rui Neves 26 de novembro de 2017 às 22:00

Em 1986, com apenas 15 anos e praticante de vela, Gonçalo Esteves começou a desenhar e a vender t-shirts alusivas a regatas aos amigos do Clube Naval de Cascais. Objectivo: juntar dinheiro para as férias. A carolice tornou-se um negócio com a criação da marca Quebramar, em 1989, que era inicialmente vendida por catálogo, o que ditou mais tarde a sua descontinuidade aos pés dos gigantes da concorrência.

Uma década depois, Esteves uniu-se ao grupo Regojo (que detinha o "master-franchising da rede de lojas Massimo Dutti em Portugal até 2012) para relançar a marca. Estávamos em 1999, quando se vivia um "boom" do consumo e da abertura de centros comerciais no país. Os dois sócios criaram então a empresa Terra Mítica para gerir e expandir a Quebramar em território nacional e no exterior.

Inicialmente com apenas quatro trabalhadores, no final de 2003 já empregava 330 pessoas, gerava uma facturação de 20 milhões de euros e explorava uma rede de 22 lojas em Portugal. Tinha acabado de inaugurar a sua segunda unidade na capital espanhola e anunciava que queria abrir 70 lojas só em Espanha nos quatro anos seguintes. Na altura, Esteves dizia que "não tinha a menor dúvida" de que a marca poderia chegar às 300 no espaço de duas dezenas de anos.

Mas a grande crise mundial deste século quase que deitava a Quebramar ao chão. Em 2011,  quando detinha 42 lojas, quatro das quais em Espanha, o grupo Lanidor adquiriu 31% do capital da marca fundada por Esteves. Vivia-se então um período de grandes dificuldades para as insígnias portuguesas, sendo que a Quebramar passava a integrar um universo empresarial que detém também, para além da Lanidor, a Companhia do Campo, a Globe e a Casa Batalha.

A ambição da Quebramar foi entretanto esbatendo ao longo dos últimos anos, tendo acumulado quebras sucessivas de facturação e resultados negativos. Com três dezenas e meia de lojas, as vendas no ano passado foram de 14,7 milhões de euros, tanto quanto facturou em 2002. E só nos últimos dois anos registou três milhões de euros de prejuízos. Entrou então em incumprimento com a banca, os fornecedores e o Estado.

Atolada em dívidas da ordem dos 30,2 milhões de euros, aderiu ao Processo Especial de Revitalização (PER) em Abril passado. Mas as negociações com o Novo Banco, que detém 83% (25,1 milhões de euros) dos créditos reconhecidos sobre a empresa, não correram bem. Falhado o PER, a Terra Mítica entrou em insolvência. Esta segunda-feira, 27 de Novembro, realiza-se uma assembleia de credores  para decidir o futuro da empresa.

Contactada pelo Negócios, fonte oficial do Novo Banco disse que a instituição não tinha comentários a fazer sobre esta matéria. Ao longo das duas últimas semanas, o Negócios tentou contactar os responsáveis da Lanidor e da Terra Mítica, tendo apenas conseguido falar com José Regojo, que foi bastante evasivo nas respostas.

Questionado sobre a insolvência da empresa, Regojo começou por alegar que está "completamente fora do assunto", que deixou de ser accionista em 2011, mas admitiu que ainda é administrador da Terra Mítica. "Mas há cinco anos que não sei de nada", afirmou. De resto, "ouvi falar que foi vendida a um grupo brasileiro", contou.

O Novo Banco surge à frente dos 91 credores da Terra Mítica, onde um seu fundo de capital de risco é accionista com 19,6%. A Segurança Social tem a haver 409 mil euros e o Fisco 251 mil.

[Sou administrador da Quebramar] mas há cinco anos que não sei de nada. Ouvi falar que foi vendida a um grupo brasileiro. José regojo
Administrador da Terra Mítica



A sua opinião16
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Quebramar era uma marca com artigos de alta categoria. Fui cliente e sempre fiquei satisfeito com os produtos que adquiri.
Lamento a sua falência.

comentários mais recentes
surpreso Há 2 semanas

Deixem lá que o Zé paga.Sempre

A treta do costume . . . Há 2 semanas

A treta do costume, sempre a adiantarem causas que deviam ser previstas nas análises de risco e de retorno dos "projetos" são sempre "azares" e "cenários" que todos conhecemos menos os "profissionais" quando alguem não paga é porque outro alguem beneficiou ! sigam o dinheiro e facilmente dão com ele

Bancos são os culpados das falências Há 2 semanas

Os bancos são os culpados das falências pois emprestam quando não deviam emprestar e permitem a continuação de situações ERRADAS (má gestão, concorrencia desleal e sub faturação) que de outro modo as empresas ou corrigem ou fecham - o estado com os "subsídios" tambem são responsáveis

Anónimo Há 2 semanas

lá vamos pagar mais esta!

ver mais comentários
pub