Fernando  Sobral
Fernando Sobral 18 de abril de 2017 às 19:18

Cícero e a corrupção

Cícero comentou que, quando alguém ocupava um alto cargo de uma província romana, no primeiro ano de mandato roubava o que podia para saldar as dívidas adquiridas com o objectivo de conseguir o posto.

No segundo ano, roubava para enriquecer. E, no terceiro ano, delapidava o património público para subornar os tribunais por causa das acusações de corrupção. Tinha razão. Tanta, que Plutarco dá a entender que o escandalizado Cícero sabia do que falava: tinha-se deixado subornar por um governador da Sicília, Verres, recordado pelos seus múltiplos delitos.

Mais interessante no caso: Cícero conseguiu inúmeras provas contra Verres, para que fosse condenado, mas depois pediu uma pena mínima: uma multa de três milhões de sestércios, depois de provado que pusera nos bolsos 40 milhões. Ou seja, a corrupção não é uma sina ou um pecado de agora, como se observa, com mais ou menos provas, em Portugal. Há, claro, pequena, média e grande corrupção, típica de uma sociedade de favores, de condomínios privados de interesses e de uma pobreza secular.

 

O que admira em tudo isto é a pouca efectividade das condenações, a morosidade dos processos (como se a lei ajudasse a que se fossem esfumando), a incapacidade dos investigadores. São visíveis em Portugal casos que se vão arrastando nos tribunais (ou mesmo a nível da investigação) até que uma qualquer decisão se tome. É aí que a justiça se vai aniquilando a si própria, perdendo a sua imagem de supremo recurso de uma sociedade que assiste a desmandos sem fim. Pior, estamos a chegar a um ponto em que situações que aparentam crimes sonantes conduzem a becos sem saída. E que permitem a quem consegue ilibar-se de todas as suspeitas consagrar-se como mártir da justiça.

Talvez este seja o preço a pagar pelo triunfo de uma ideologia em que todos os meios justificam o fim pretendido, onde os valores morais são propalados mas não seguidos, onde quem ganha é o herói das massas. Mas não é isso que oxigena uma sociedade democrática que, julga-se, desejamos seja a nossa. A menos que democracia seja outra coisa.

 

Grande repórter

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub