Jorge Rebelo de Almeida
Jorge Rebelo de Almeida 23 de novembro de 2017 às 13:40

Fazer de Portugal um país verde

Começo por dar os parabéns ao Negócios e felicitar toda a equipa por esta data especial, desejando que continuem o bom trabalho desenvolvido ao longo destes 20 anos.
Celebrar duas décadas de existência é, de facto, um marco, sobretudo numa época em que tudo muda tão rapidamente. Fazendo um paralelo com o percurso da Vila Galé, há 20 anos, o grupo tinha apenas sete hotéis, maioritariamente no Algarve. Atualmente, prestes a assinalar os 30 anos de atividade, conta com 28 hotéis, dos quais 21 em Portugal e sete no Brasil. Há outros cinco em curso.

E à hotelaria soma-se já a atividade agrícola materializada nos vinhos e azeites Santa Vitória e na produção de frutas no Alentejo.

Respeitar o meio-ambiente, ter políticas sustentáveis e assegurar a defesa da natureza sempre foram, e são cada vez mais, pilares no modelo de gestão da Vila Galé.

Por isso, acredito que Portugal teria muito a ganhar se genuinamente se tornasse e se assumisse como um país verde, que protege o ambiente.

Nesse sentido, hoje sou um acérrimo defensor da mobilidade elétrica, da existência de cidades menos poluídas, onde só circulassem carros elétricos, bicicletas e veículos menos nocivos para o ambiente. Mas também da aposta nas energias limpas, tirando partido dos recursos naturais e do 'know how' que temos e contribuindo para reduzir a nossa dependência do petróleo. Ou ainda da reabilitação urbana e da ecologia.

Portugal e o turismo teriam muito a ganhar com este posicionamento, qualificando o país como destino verde, saudável e sustentável, até porque o que é bom para os turistas é também bom para os residentes.


Este artigo está em conformidade com o novo Acordo Ortográfico


No âmbito do 20º aniversário do Negócios, pedimos um artigo a várias personalidades sobre ideias para o futuro de Portugal.
A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar