Sandro Mendonça
Sandro Mendonça 23 de novembro de 2017 às 13:20

Portugal automático, algorítmico, autónomo

Um espectro tecnológico começa a assolar o mundo. Insinua-se nas notícias, difunde-se através das redes, está na mente dos governantes, instala-se na agenda dos decisores privados.
Ele é a fábrica alemã automóvel completamente robotizada que foi inaugurada na China este ano, ele é o andróide Sophia exibido no Web Summit em Lisboa com alegada cidadania saudita, ele é o lançamento camiões eléctricos pela Tesla e a encomenda de 24 mil carros autónomos pela Uber enquanto a Google lança o primeiro serviço de transporte pessoal operado sem necessidade de intervenção humana.

Esta segunda vaga da terceira revolução industrial (a revolução da informação) é tão forte que alguns confundem como uma nova, grande e independente onda tecno-económica e a chamam de "4.ª revolução industrial". É uma espécie de assalto tecnológico massivo ao resto do sistema produtivo e distributivo, industrial e comercial, privado e público, profissional e pessoal.

A origem desta transformação é o sector das tecnologias de informação e comunicação: sim, ainda a Apple, a Microsoft, e até a IBM e a Intel. Mas as entidades condutoras da mudança são empresas de base digital que até há 20 anos não existiam e que operam em rede: as Amazons, as Alphabets, as Facebooks, etc. Em torno destas e de outras plataformas explode uma miríade de novos modelos de negócio assentes nos megadados, na inteligência artificial, na automatização avançada, etc.

Estas tecnologias "hiper-escalam", e tendem para o monopólio (a hegemonia das "big tech"). Estas competências são baseadas no controlo de direitos e do acesso, e tendem a excluir (propriedade intelectual, etc.) e a discriminar (privacidade, "fake news", etc.). Ou seja, existem consequências para a desigualdade entre os países e dentro dos países.

A resposta em Portugal tem de ser sólida e multiforme. Desde a educação (os alunos têm de ser introduzidos ao código desde a primária, como já são ao inglês) até à regulação (as autoridades supervisoras precisam radicalmente de se modernizar, e abraçar o "tech-reg"), têm de se fazer coisas. Já.

A democracia e o bem-estar, bem como a soberania e a segurança, são hoje também "bens informacionais". E podem dissolver-se no ar.


No âmbito do 20º aniversário do Negócios, pedimos um artigo a várias personalidades sobre ideias para o futuro de Portugal.  

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Pedro Costa Há 1 semana

O que eu prevejo é que daqui a poucos anos, segundo as perspectivas, não haverá a profissão motorista da Uber...