Francisco Veloso
Francisco Veloso 23 de novembro de 2017 às 10:50

Preparar os jovens para os empregos do futuro

Sendo a celebração dos 20 anos do Negócios, procurei refletir sobre ideias com impactos mais a longo prazo no país, porventura daqui a 20 anos. Uma destas seria eliminar a necessidade de os alunos do ensino secundário escolherem áreas de estudo, criando um currículo integrado, flexível e experiencial.
Sabemos que a maioria dos empregos que os jovens de hoje virão a desempenhar no futuro ainda não existem. Sendo evidente que o digital será uma dimensão crítica dessa realidade, apenas podemos tentar imaginar qual será a combinação de competências adequada a essas realidades por definir. Limpar e organizar bases de dados será porventura uma versão moderna dos trabalhos de inserção de dados de outrora; e a composição e encenação de realidades virtuais poderá corresponder ao que entendemos agora como produção audiovisual. A gestão de recursos humanos terá tanto de inteligência emocional, como de análise de sentimento nas comunicações dentro da rede social da empresa; e será banal a decisão médica baseada em algoritmos, tal como a composição algorítmica de poesia.

Em todas estas ideias, é fácil de compreender que ciência, literatura, arte e gestão interagem de formas novas e singulares. Nesse sentido é absolutamente crítico não limitar o espaço de aprendizagem e experimentação dos jovens ao longo do seu percurso escolar, especialmente ao nível pré-universitário. É necessário proporcionar-lhes uma formação abrangente e flexível, que os envolva em conceitos, ferramentas e descobertas nas várias áreas do saber, expandindo e não reduzindo o seu leque de conhecimentos.

Simultaneamente, neste mundo em forte mudança, pessoas e organizações terão que experimentar, inovar e empreender para descobrir novos caminhos. Assim, uma nova abordagem ao ensino tem que incluir uma dimensão experiencial. O que hoje já é feito numa disciplina de design, como sejam a análise de clientes reais e a realização de protótipos, tem que estar presente nas várias áreas, seja programar robots em aulas de matemática, ou a lançar para o mercado micro-empresas em aulas de gestão.

Só assim estaremos a preparar os nossos jovens para terem sucesso num futuro que ainda não conhecemos!


No âmbito do 20º aniversário do Negócios, pedimos um artigo a várias personalidades sobre ideias para o futuro de Portugal. 
A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Pika Há 3 semanas

E que tal ensinar aos jovens e não só a o que é uma enchada e ensiná-los a trabalhar com uma enxada?

Não limitar a aprendizagem(...) nivel pré-universi Há 3 semanas

Concordo totalmente. Não sendo cursos Profissionais (que dão diploma de saber fazer no 12ºano), a limitação por áreas no secundário só limita o acesso a cursos universitários numa idade crítica, que depois é desfeita aos 23 anos com o had-hoc. Entre os 19 e os 23 anos ficam encurralados numa área.

Anónimo Há 3 semanas

e que tal ensinar os jovens a trabalhar com a enchada??? governados por esta gente, isto sim será o futuro...

pub