Manuel Esteves
Manuel Esteves 10 de dezembro de 2017 às 23:00

Não se é produtivo ao volante de um tuk-tuk

O turismo transformou-se no principal sector dinamizador da economia. (...) Por mais que acelere e se esforce, um condutor de um tuk-tuk nunca será muito produtivo.
É difícil olhar para os principais indicadores económicos de Portugal e não ficar contente. A economia cresce ao ritmo mais alto deste século, o emprego recupera a passos largos, as exportações estão sólidas e o investimento regressa a uma trajectória de crescimento. Mas há duas coisas que não crescem: produtividade e salários.

Tradicionalmente, a direita e os patrões gostam mais de falar de produtividade, enquanto a esquerda e os sindicatos preferem pôr a tónica nos salários. Mas no fundo estão todos a discutir a mesma coisa. Aos primeiros é preciso lembrar que a produtividade não depende essencialmente dos trabalhadores; e aos segundos tem de se dizer que os salários não dependem sobretudo das empresas. Produtividade e salários andam de mãos dadas e caminham num trilho de margens estreitas, definidas pela estrutura económica existente e pelos recursos produtivos aplicados.

Recentemente, o Banco de Portugal voltou a alertar para a estagnação da produtividade no nosso país. As razões que motivam essa estagnação não são consensuais: o banco central descreve uma redução da produtividade dentro cada sector, que reflecte um aumento mais acelerado do emprego face ao valor acrescentado bruto, identificando uma transferência de emprego para os sectores mais produtivos. Mas o Centro de Estudos Sociais, por exemplo, considera que esta redução da produtividade reflecte essencialmente uma alteração da estrutura económica, onde novos sectores menos produtivos ganham maior peso - é o caso do turismo.

O turismo transformou-se no principal sector dinamizador da economia. Segundo os dados da Conta Satélite do Turismo do INE, o turismo cresce quatro vezes mais depressa do que a economia, já representa 7% do PIB e mais de 9% do emprego.

Boas notícias para a economia? No curto prazo, sim. No longo prazo, a discussão complica-se. A forma como o turismo tem crescido gera preocupações sobre uma excessiva dependência da economia. Além de ser um sector que vive quase exclusivamente da procura externa, tem características que assumem contornos preocupantes quando atinge esta importância: é um sector que cria um emprego tipicamente sazonal, que assenta em mão-de-obra desqualificada e que tende a praticar salários baixos com contratos precários.

Além disso, é um sector que tem pouco potencial de criação de valor, é pouco atreito à incorporação de inovação e tecnologia e, portanto, pouco produtivo. Não se pode esperar que um licenciado a conduzir um tuk-tuk ou a servir às mesas seja tão produtivo, e tão bem pago, como um colega seu empregado numa fábrica automóvel ou numa instituição financeira.

Quando estes sectores com baixa produtividade se tornam preponderantes, ficam mal servidos os trabalhadores, que levam para casa um salário reduzido, mas também o país que, pelo mesmo esforço, produz menos riqueza que os restantes. É que, por mais que acelere e se esforce, um condutor de um tuk-tuk nunca será muito produtivo.
A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado TinyTino Há 5 dias

Penso que o senhor sabe como se mede a produtividade. Dito isto, garanto que há muita gente a dedicar-se ao turismo que apresenta maiores remunerações para si próprio do que trabalhando para qualquer empresa de consultoria. Provavelmente o problema não está não no valor da produtividade no turismo, mas no que é pago a esse trabalho (muitas vezes com mão-de-obra qualificada) noutras indústrias e que não são competitivas o suficiente para puxar essa mão-de-obra "mais qualificada", porque não sabem atrair essa mão-de-obra. Por mal pago que seja o turismo, têm gratificações e não têm de fazer horas extraordinárias à borla. Talvez isto obrigue os empresários a olharem para a mão-de-obra com outros olhos, que não olharam durante as últimas décadas porque tinham sempre muita disponível e barata.

comentários mais recentes
log Há 5 dias

O que era mesmo preciso fazer, era o proprietário desenvolver os tuk-tuk autonomos, e o software de controlo e 'cicerone' adjacente, patentear o sistema, e exportar para todo o mundo. Assim, se cria verdadeiramente valor, mas para tal, é preciso ter quem tome a inciativa, e quem invista.

log Há 5 dias

O que há a fazer, então, é substituir os tuk-tuk e respectivos condutores por tuk-tuk autónomos, e contratar os condutores para fazer a manutenção dos equipamentos e sistema de software. Aumenta-se a produtividade mas a criação de valor será, porventura de outrém.

Anónimo Há 5 dias

Recomendo que saia mais da redação e fale com as pessoas no mundo real. O tuktuk vale pouco em termos de PIB porque o VAB é baixo, o VAB calcula-se com base nas contas submetidas para efeito de IES. No entanto, o condutor dos Tuk, formado, recebe muito mais que antes qd estava nas empresas. E esta?!

TinyTino Há 5 dias

Penso que o senhor sabe como se mede a produtividade. Dito isto, garanto que há muita gente a dedicar-se ao turismo que apresenta maiores remunerações para si próprio do que trabalhando para qualquer empresa de consultoria. Provavelmente o problema não está não no valor da produtividade no turismo, mas no que é pago a esse trabalho (muitas vezes com mão-de-obra qualificada) noutras indústrias e que não são competitivas o suficiente para puxar essa mão-de-obra "mais qualificada", porque não sabem atrair essa mão-de-obra. Por mal pago que seja o turismo, têm gratificações e não têm de fazer horas extraordinárias à borla. Talvez isto obrigue os empresários a olharem para a mão-de-obra com outros olhos, que não olharam durante as últimas décadas porque tinham sempre muita disponível e barata.

ver mais comentários
pub