Economia Empresa de Braga dá férias na Jamaica aos trabalhadores

Empresa de Braga dá férias na Jamaica aos trabalhadores

Os trabalhadores da bracarense BC Segurança têm acesso a um mini-spa, diversões, lavandaria, comida, entre outros benefícios, e ainda a escolher um destino de férias. O patrão paga tudo. Quem não quis ir à Jamaica levou para casa um salário extra.
Empresa de Braga dá férias na Jamaica aos trabalhadores
Foram 17 os trabalhadores da BC Segurança que este ano aceitaram o convite da empresa para passar férias na Jamaica. Com tudo pago pelo patrão.
Rui Neves 23 de junho de 2017 às 13:42

Depois de Punta Cana em 2014, Cuba em 2015 e México em 2016, metade dos trabalhadores da BC Segurança aceitou o convite da empresa para desfrutarem, neste mês de Junho, de nove dias de férias na Jamaica. Com tudo pago pelo patrão. Quem preferiu ficar em terra teve direito a receber um salário extra.

 

"Pelo quarto ano consecutivo, a BC Segurança, do Grupo Bernardo da Costa, alcança os objectivos anuais e premeia toda a equipa pelo seu trabalho, empenho e dedicação, oferecendo uma viagem à Jamaica", sintetiza a empresa, em comunicado.

 

No ano em que a empresa comemora 60 anos de vida, foram 17 os trabalhadores que passaram férias naquele destino tropical à conta da família Costa.

 

"Para nós é muito importante manter uma equipa coesa e motivada. E na BC lutamos por este objectivo todos os dias. A administração reconhece que o sucesso empresarial é fruto do mérito e dedicação de todos os colaboradores e entende que toda a equipa deve ser premiada. Por isso existe um prémio global extensível a todos os colaborares que, directa ou indirectamente, trabalham para o atingir", afirma Susana Barros, directora de Marketing e Comunicação do Grupo Bernardo da Costa

 

Susana Barros é também responsável pelo Departamento da Felicidade da empresa, que tem criado uma série de benefícios para os seus trabalhadores. Além das férias num destino internacional, o efectivo da BC Segurança pode usufruir de um mini-spa na empresa, com direito a massagens, manicura, pedicura ou depilações, duas vezes por semana, e ainda sala de diversões, roupa lavada, jantar para levar para casa a preços reduzidos, seguro de vida e de saúde, folga no dia de aniversário, prémios mensais e anuais.

 

Liderada por Ricardo Costa, neto do fundador do grupo, a Bernardo da Costa começou por dedicar-se ao negócio de instalações eléctricas de apoio à construção civil, tendo vindo a diversificar o seu leque de actuação, distribuindo também equipamentos nas áreas da intrusão, incêndio, controlo de acessos e domótica, entre outros.

 

O grupo bracarense factura cerca de 25 milhões de euros, dos quais 40% são gerados pelos mercados externos.




A sua opinião19
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 4 dias

Tinham que vir os subsidiodependentes e maldizentes criticar quem cria empregos e riqueza. Porque raio é que esta gentinha não se mexe, cria empresas e boas condições aos empregados? É mais facil falar mal dos outros atrás dum teclado. Gentinha mediocre...

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 dias

Estou tão invejoso, que até estou a ficar vermelho de raiva.... parabéns ao dono sabe motivar o pessoal...posso-lhe enviar o meu CV?

Anónimo Há 4 dias

Para o ano devem pedir para irem para Medellin (Colombia), vão ver que vão trabalhar com mais genica.

Anónimo Há 4 dias

Acho bem, pois deixa os trabalhadores contentes, mas deve dizer que quem também comparticipa nessas benesses são os contribuintes portugueses.
A empresa tem benefícios fiscais , no fim o capital investido é mínimo e mantém os trabalhadores mais produtivos

Anónimo Há 4 dias

É pena não ter sido nas ilhas Caiman assim já podiam abrir uma conta, e juntavam o útil ao agradável, mas podiam ver lá alguém da AR e isso seria desagradavel....fizeram bem ir para Jamaica, ver o Bolt correr para apanhar o avião para Miami.

ver mais comentários
pub