Política Familiares das vítimas de Pedrógão exigem demissão da cúpula da ANPC e pedido público de desculpas de Costa

Familiares das vítimas de Pedrógão exigem demissão da cúpula da ANPC e pedido público de desculpas de Costa

A Associação dos Familiares das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exigiu hoje ao primeiro-ministro um pedido de desculpas público e a imediata demissão de toda a cúpula da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC).
Familiares das vítimas de Pedrógão exigem demissão da cúpula da ANPC e pedido público de desculpas de Costa
Reuters
Lusa 18 de outubro de 2017 às 15:17

"Na sequência da demissão tardia da senhora ministra da Administração Interna [Constança Urbano de Sousa], exigimos a consequente demissão da presidência e do comando da ANPC. Após as 65 mortes em Pedrógão Grande, queremos também um pedido público de desculpas do senhor primeiro-ministro a todos os familiares das vítimas mortais", declarou a presidente da associação, Nádia Piazza.

Nádia Piazza falava no final de uma reunião de duas horas e meia com o primeiro-ministro, António Costa, em São Bento, na qual também esteve presente a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem.

Interrogada sobre quando o primeiro-ministro poderá assumir o pedido de desculpas públicas pelas mortes nos incêndios de Pedrógão Grande de Junho e do passado domingo, a presidente da associação respondeu: "Vamos dar esse tempo a ele".

"É uma exigência nossa, pensamos que é um acto que já podia ter acontecido. Mas, trata-se de algo pessoal, tem de partir dele [António Costa]", disse Nádia Piazza.

Nádia Piazza adiantou que a reunião com o primeiro-ministro foi "longa e cortada", durante a qual "ninguém teve pressa em discutir tudo".




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Já não acredito em ninguem 18.10.2017

Será que esta senhora não pretende criar um novo partido politico?
Será que não pretende gerir os fundos criados pelos portugueses?
Será que é apenas protagonismo?
Pelo respeito que deveria ter pelas vítimas, esteja calada!

Anónimo 18.10.2017

Têm razão, mas porquê só agora? dá que pensar...

Camponio da beira 18.10.2017

Acho bem, e a D.Patricia Gaspar até disse que Vieira do Minho e Guimarães são do distrito da Guarda....não pode continuar nestas funções, que nem conhece minimamente o País. Façam uma merceariazita para ela poder fazer alguma coisa, sem prejudicar o pais.

pub